Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Terça, 15 Agosto 2017 17:37

Há 40 anos, alimentos consumiam 56% da renda do trabalhador; hoje, são 17%

Durante evento encerrado ontem em SP, o superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Francisco Jardim, exaltou a revolução promovida pelo trabalhador rural nos diversos rincões do País. Falando para empresários da agroindústria nacional e internacional, Jardim destacou que há quatro décadas o Brasil era importador de alimentos básicos como o leite, e, hoje, se tornou um dos maiores exportadores do mundo.

Segundo o superintendente, esse salto só foi possível graças à pesquisa científica desenvolvida principalmente por instituições públicas, como a federal Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o paulista Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital) que melhoraram a capacidade produtiva das sementes e plantas, ampliaram os conhecimentos sobre o manejo do solo, e levaram essas novas tecnologias ao homem do campo.

“Há 40 anos, o custo da alimentação representava 56% da renda do trabalhador. Hoje, representa só 17%”, resumiu Jardim. É fato que a ciência aumentou a produtividade, mas o crescimento nas safras também se deu pela derrubada da mata nativa, especialmente no Cerrado e na Amazônia.

Nesta terra,...
A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) está orientando produtores do Brasil, Uruguai, Paraguai e Argentina para que reduzam a área de plantio nos próximos 12 meses.

...em se plantando...
O motivo: queda no preço pago ao produtor. Só da safra colhida no primeiro semestre, há 1,4 milhão de toneladas excedentes, estocadas, o que fatalmente reduzirá ainda mais a remuneração dos produtores nos próximos 12 meses caso a colheita continue no nível atual.

...tudo dá!
A estimativa da entidade é que para escoar os estoques e melhorar o faturamento dos arrozeiros em todo o Mercosul será preciso reduzir a área de plantio em 250 mil hectares, área equivalente à de 250 mil campos de futebol.

Laranja, tangerina...
A colheita das laranjas pera, das tangerinas poncam e do limão taiti está chegando ao fim no interior paulista, no Sul de Minas Gerais e no Triângulo Mineiro. E isso já impulsiona as cotações na porteira da fazenda.

...ainda dá tempo!
A laranja vem recuperando o preço depois de despencar 43% no meio do ano. O limão já subiu 12% em apenas uma semana no início de agosto. Na Ceagesp, caminhões carregados com tangerina já chegam em menor número. A safra ainda dura mais um mês...

Prepare o bolso!!!
A estiagem típica do inverno já secou os pastos e reduziu o alimento para o gado. Resultado: apesar do consumo estagnado pelo desemprego, em agosto subiu tanto o preço do boi, que já anda magro com a falta de capim, quanto da carne no atacado.

Filosofia do campo:
“Eu não tenho paredes. Só tenho horizontes”, Mário Quintana (1906/1994), poeta gaúcho.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros