Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Terça, 13 Junho 2017 21:42

Reforma trabalhista vai ser votada dia 28 no plenário do Senado

O texto foi lido na Comissão de Assuntos Sociais onde será votado na próxima semana e depois segue para Consituição e Justiça
Durante votação no plenário do Senado, sindicalistas prometem  pressionar senadores a rejeitarem projeto Durante votação no plenário do Senado, sindicalistas prometem pressionar senadores a rejeitarem projeto Agência Senado
Por Diário do Litoral

O Senado Federal já definiu a data do julgamento em plenário da reforma trabalhista. Será no próximo dia 28. Com o dia do julgamento já divulgado, sindicalistas das centrais sindicais já se preparam para pressionar senadores antes e durante a votação.

As nove centrais sindicais que organizaram a Marcha em Brasília, no último dia 24 de maio, começlaram ontem mesmo, a organizar sua estratégia de luta e mobilização para tentar convencer senadores a não aprovarem essa reforma.

Por outro lado, ontem, foi um dia novamente atípico na Comissão de Assuntos Sociais, onde foi lido o relatório, que será votado ainda hoje naquela comissão. É que além do texto principal, já aprovado pela Câmara, feito pelo senador Ricardo Ferraçõ, outros dois relatórios foram lidos por opositores à reforma. Um deles pelo senador Paulo Paim (PT/RS) e outro por Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

E, novamentre, ocorreram discussões que tumultuaram a leitura desses relatórios.

O senador Paulo Paim (PT-RS) apresentou voto em separado contrário à reforma trabalhista (PLC 38/2017) na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Paim iniciou a leitura do voto logo após o relator do projeto, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), apresentar seu parecer favorável à proposta.

Ferraço leu apenas um resumo do parecer que tem 79 páginas. No texto, o relator defende que a reforma trabalhista aperfeiçoa leis para que o mercado de trabalho gere oportunidades para todos.

Ele também argumenta que o mercado de trabalho passa por constantes mudanças e isso demanda adequação da legislação trabalhista. “Essa é uma reforma para o conjunto da sociedade, para manter as conquistas e os direitos daqueles que possuem emprego formal e dos 14 milhões de desempregados que vivem em insegurança sem saber como vão pagar as contas no próximo mês”, disse.

Acordo firmado pelos integrantes da oposição e da base aliada do governo na CAS prevê que o relatório de Ferraço seja votado na comissão na próxima semana. O projeto ainda deve passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de seguir para votação no plenário da Casa.

O relatório de Ferraço é favorável à reforma trabalhista mantendo o texto como foi aprovado na Câmara. Ele rejeitou as emendas apresentadas na CAS. Embora não proponha mudanças, o relator sugeriu ao presidente Michel Temer que vete alguns pontos do projeto que tratam da presença de gestante e lactante em ambiente insalubre, de serviço extraordinário da mulher, de acordo individual para jornada 12 por 36 horas, de dispositivo relacionado ao trabalho intermitente, de representação de empregados e de negociação do intervalo de intrajornada.

Oposição ainda resiste

As sessões nas comissões têm sido tumultuadas e com muitas discussões porque a oposição continua resistindo ao texto já aprovado na Câmara. Ontem, o sendor Paulo Paim, voltou a apresentar seu voto em separado para ser apreciado no julgamento da príoxima semana.

Ele fez críticas a diversas mudanças realizadas após o projeto ter sido enviado pelo Executivo à Câmara. É bom lembrar que o projeto já dfoi aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.

Plano B é apresentar relatórios alternativos

Como plano B ao texto já aprrovado pela Câmara o grupo de oposição, liderados por Paulo Pauim e Vanessa Grazziotin, estão presentando relatórios alternativos. Só ontrem, Paim ficou por quatro horas lendo seu voto em separado, a exemplo do que já havia feito na Comissão de Assuntos ­econômicos.

O voto em separado funciona, na prática, como a apresentação de um parecer alternativo que pode ou não ser apreciado pelos demais senadores. Entretanto, seus pareceres acabaram não sendo acatados pelos demais senadores.

O expediente é uma forma de estender as votações na sessão sem ferir o regimento da Casa.

Já o relatório oficial produzido pelo senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), foi lido mais cedo na Comissão, e pede aprovação integral do texto ­vindo da Câmara com ­alguns vetos presidenciais­.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros