Publicidade

X

Brasil

Objetivo é fazer Brasil como 'era há 40, 50 anos atrás', diz Bolsonaro

Em entrevista à Rádio Jornal, Bolsonaro falava majoritariamente da insegurança das grandes cidades, defendendo o encarceramento como solução Por Folhapress

dothCom Consultoria Digital

Publicado em 15/10/2018 às 21:04

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Em entrevista à Rádio Jornal, de Barretos nesta segunda-feira (15), o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que o objetivo de seu governo é fazer o Brasil "ser igual há 40, 50 anos atrás".

Ele falava majoritariamente da insegurança das grandes cidades, defendendo o encarceramento como solução. "Cadeia não recupera ninguém. Cadeia é para tirar o elemento da sociedade", afirmou. Voltou a queixar-se de educação sexual na escola, dizendo que "quem ensina sexo para criança é o papai e a mamãe".

Questionado sobre sua frase antiga na qual defendia que mulheres ganhavam menos porque engravidavam, voltou a se defender, dizendo que não quis afirmar aquilo. Disse que a isonomia é prevista na CLT, mas escorregou novamente. "Nunca vi mulher reclamando que ganha menos do que homem", disse.

Bolsonaro negou a aliados que tenha convidado o diretor do Hospital Amor, o antigo Hospital do Câncer de Barretos, para ser seu ministro da Saúde se vencer a eleição presidencial. O nome de Henrique Prata circulou na semana passada, e o médico se mostrou disposto à missão.

Ele reiterou a afirmação durante a entrevista. "Nunca conversamos sobre essa possibilidade. Não quero desmerecê-lo, quero restabelecer a verdade", disse.

Pela manhã, ele visitou o Bope (Batalhão de Operações Especiais), no Rio de Janeiro, para agradecer o apoio de policiais.

"Obrigado a vocês e mais do que tudo pode, pela confiança pela parte de muitos, pode ter certeza, em chegando, teremos um dos nossos lá em Brasília. Caveira", disse, encerrando um breve discurso com o grito de guerra que entoa o símbolo do Bope.

"Temos a segunda maior bancada de Brasília sem tempo de televisão, sem fundo partidário, sem nada. Isso vem de gente como vocês. Então temos que acreditar e tentar mudar."

O candidato arrancou aplausos do grupo e brincou que cumprimentava um coronel, mas que quem vai mandar no Brasil são os capitães.

Bolsonaro é capitão reformado do Exército. Ele fez breve discurso a integrantes do batalhão, que foi filmado e distribuído por integrantes da campanha. Segundo assessores, foi uma visita a amigos. A imprensa não pode participar do encontro.

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

EDUCAÇÃO

Confira 5 livros infantis para alfabetização

Livros infantis podem auxiliar no processo de alfabetização dos pequenos através de formas lúdicas, coloridas e interativas

TRANSFOBIA NA ZONA SUL

Homem que disparou e matou mulher trans é procurado em SP

Polícia trabalha com a hipótese de transfobia; o caso foi registrado como homicídio e tentativa de homicídio no 47º Distrito Policial

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter