últimas notícias

Saúde

Dá para começar esse cuidado com a saúde ainda na infância
Dá para começar esse cuidado com a saúde ainda na infância
Foto: Arte: Gazeta de S.Paulo

Os cuidados de cada idade

Cada faixa etária deve se cuidar de forma diferente, já que o corpo muda e os acontecimentos diários também interferem no estilo de vida

Cuidar da saúde é algo que deve ser levado para toda a vida, com hábitos saudáveis e visitas ao sistema de saúde, e isso não seria diferente com as mulheres. Por isso, no mês delas, março, a Gazeta elaborou um guia com os principais cuidados que mulheres de todas as idades precisam ter para cuidar da saúde e aproveitar a vida de forma plena.

Mulheres sem problemas de saúde podem visitar somente o ginecologista para acompanhamento anual, mas isso muda se ela apresentar alguma doença que precise de atendimento especializado. Depois dos 60 anos, a consulta com um geriatra também é recomendada.

E dá para começar esse cuidado ainda na infância. "As crianças podem ser acometidas por corrimentos decorrentes de má higiene, alteração da flora vaginal, sinais de doenças crônicas como diabetes tipo 1 e também de presença de corpo estranho na vagina, quando as crianças introduzem pequenos objetos por acidente", afirma a ginecologista Polyana Caldas, da Cia. da Consulta.

Quando a menina chega na adolescência, os cuidados mudam. Com o início dos ciclos menstruais, ela deve prestar atenção se houver alterações nesse processo. "Podem ser somente um amadurecimento do eixo hormonal ou podem indicar doenças como endometriose ou síndrome dos ovários policísticos". Mas é fundamental orientá-la a usar preservativos ao início da vida sexual, para evitar ISTs (infecções sexualmente transmissíveis). "Muitas ISTs são assintomáticas em mulheres, e só são diagnosticadas através de exame da vagina e colo uterino ou mesmo exames laboratoriais", diz Caldas.

A ginecologista lista as doenças e tratamentos mais comuns por faixa etária. A partir dos 30 anos, aumenta a incidência de doenças como a miomatose, quando o fluxo menstrual fica mais intenso; aos 40 é importante verificar a incidência de câncer de mama - é quando se começa a realizar as mamografias regularmente, especialmente se há casos na família. Chegando aos 50 anos, outro tipo de câncer que deve ser avaliado é o de intestino. E, depois dos 65, sempre ficar atenta às doenças cardiovasculares e osteoporose, que causa fraturas.

Mas há algumas doenças que não têm idade para aparecer. "Em todas as fases da vida, a mulher pode ser acometida por obesidade, que aumenta o risco de desenvolver diabetes, hipertensão arterial, dislipidemia (aumento de colesterol e triglicérides) que são os principais fatores de risco para doenças cardiovasculares como infarto, trombose e acidente vascular cerebral (AVC)".

Além disso, as mulheres podem sofrer também de depressão, ansiedade, síndrome do pânico e transtorno bipolar. "Cuidar da saúde mental é essencial, pois o número de casos em pessoas jovens cresce exponencialmente, trazendo muito prejuízo para a funcionalidade e qualidade de vida".

E dá para evitar que essas doenças venham a surgir. "Uma vida equilibrada, alimentação saudável, lazer, exercício físico, controle da ansiedade e estresse, são fundamentais para prevenção de doenças e o mais importante: viver com qualidade até o fim da vida", completa Caldas.

PREOCUPAÇÕES DA MULHER

O corpo muda bastante ao longo da vida, seja pelo crescimento e desenvolvimento, seja pelo que fazemos com ele – como a prática (ou não) de exercícios físicos, estilo de vida, tipo de alimentação...a mulher pode desenvolver, em qualquer fase da vida, obesidade, diabete, hipertensão, depressão, síndrome do pânico, ansiedade, e outras doenças. Veja as principais preocupações que as mulheres devem ter ao longo da vida:

Criança: Além dos cuidados rotineiros de pediatra, é importante verificar se a menina tem algum tipo de corrimento, que pode indicar alteração da flora vaginal, doenças crônicas ou até má higiene.

Adolescente: Os hormônios mudam e alteram muito o corpo. O início dos ciclos menstruais pode trazer problemas hormonais como a síndrome dos ovários policísticos e até endometriose; importante também utilizar preservativos no começo da vida sexual.

Adulta: Há uma incidência maior de miomatose, quando o ciclo menstrual fica mais intenso e, a partir dos 40 anos, fazer o acompanhamento de câncer de mama, especialmente se há casos na família;

+60 anos: O geriatra pode entrar na lista dos médicos a ser visitados, e os cuidados principais são os com a incidência de osteoporose e doenças cardiovasculares.

Tops da Gazeta