últimas notícias

Foto: Juliana Coutinho/GLOBO

Larissa Manoela no "Lady Night"

Larissa Manoela é a convidada do "Lady Night", da Tatá Werneck, na Globo, na noite desta quinta-feira. Nas conversas das duas, ela conta que sua primeira compra com o próprio dinheiro foi um carro com ar condicionado: "São Paulo é muito quente. Aí tudo que eu queria era um carro com ar". Larissa, vale lembrar, viverá um dos principais papéis de "Além da ilusão", novela na fila das 18h da Globo.

TV Tudo

Em curso. Na Band, o processo de integração de todas as suas empresas, entre emissoras de rádio e televisão, começa a apresentar passos mais acelerados. Entre as novidades, o esporte deixará o guarda-chuva do jornalismo e passará para o entretenimento.

Direitos. Sobre as novelas em reprise, a Globo já tem combinada a forma de pagamento dos direitos de todos. Foi estabelecido um prazo de 90 dias, que começará a ser contado a partir do final de exibição de cada uma delas.

Fechar a conta. Como, na Globo, ainda não há uma decisão de quantos capítulos de "Novo Mundo", "Totalmente Demais" e "Fina Estampa" serão exibidos, só depois de encerradas as suas reexibições será possível levantar o exato valor que todos terão direito a receber. Inclusive, no caso dos atores, será contabilizado o número de capítulos que cada um apareceu.

Desejo. As principais produtoras de formatos, e por aí entenda-se Floresta, Formata, Casablanca, Endemol..., também foram obrigadas a suspender as suas atividades durante o confinamento. Todas, no entanto, trabalhando com a melhor das possibilidades, pretendem retomar as suas atividades em junho.

Complicado. Devido à paralisação das atividades, muitas dessas empresas de conteúdo se viram obrigadas a demitir quase todas as suas equipes. "Top Chef", produzido pela Floresta para a Record, foi um desses muitos casos.

Olha só. Na edição de segunda-feira, o "Aqui na Band" discutiu sobre quem queria matar Bolsonaro com direito a participante dizendo que Marielle Franco fazia "apologia ao crime". Uma conversa de louco, sem nenhum fundamento jornalístico. Vale sempre lembrar que a Polícia Federal investigou o crime, indicou que o agressor de Jair Bolsonaro agiu sozinho e o advogado do presidente da República decidiu não entrar com recurso. 

Tops da Gazeta