últimas notícias
Segundo veterinária, não existe idade limite para castrar o animal. Porém, o ideal é que cães e gatos passem pelo procedimento entre os seis e nove meses
Segundo veterinária, não existe idade limite para castrar o animal. Porém, o ideal é que cães e gatos passem pelo procedimento entre os seis e nove meses
Foto: Nuchylee

Castração não deve ser adiada por conta do coronavírus

Veterinária ressalta que, ao contrário do que muitos imaginam, a castração não é um ato de crueldade contra o animal

Com a orientação de se manter em casa por conta da pandemia do novo coronavírus, muitos tutores têm adiado procedimentos de castração de seus cães e gatos. Contudo, na opinião da veterinária Thais Matos, da DogHero, tomados todos os cuidados para circulação, as cirurgias devem ser mantidas. "Não há necessidade de esperar para castrar, pois o atendimento veterinário está ocorrendo normalmente, mesmo durante o período de quarentena."

Thais ressalta que, ao contrário do que muitos imaginam, a castração não é um ato de crueldade contra o animal. Pelo contrário, além de evitar a procriação, o procedimento ainda traz outros benefícios, como tratar ou prevenir doenças e tumores influenciados pelo sistema reprodutivo e ainda prevenir ou alterar comportamentos anormais.

De acordo com a veterinária, não existe uma idade limite para castrar o animal. Entretanto, o ideal é que cães e gatos passem pelo procedimento entre os seis e nove meses. A cirurgia costuma ser rápida, com os pets podendo ir para casa no mesmo dia. É normal que eles fiquem sonolentos nas 24 horas após o procedimento, mas a recuperação geralmente é tranquila, com o pós-operatório envolvendo limpeza da ferida cirúrgica e curativo, uso de colar elisabetano ou roupa cirúrgica, restrição de movimentos e medicação.

"A castração é um procedimento cirúrgico, assim, é muito importante que o pet passe por uma consulta com o veterinário para que ele examine o animal e oriente os tutores. Dessa forma, o bem-estar do pet estará garantido antes e depois da cirurgia", finaliza a especialista. (Gladys Magalhães)

Tops da Gazeta