últimas notícias

Testamos o sedã Cronos

Importado da Argentina, o sedã derivado do Argo é farto em itens de conforto Da Reportagem De São Paulo

Na Fiat, os modelos que marcaram época no Brasil sempre foram hatches, como o 147, o Uno, o Mille e o Palio. Com os sedãs, as tentativas foram diversas, mas nada que realmente arrebatasse o consumidor nacional. Desde o lançamento do Oggi, o três volumes derivado do 147, em 1983, vieram o Prêmio, o Tempra, o Marea, o Siena, o Gran Siena e o Linea. Depois de 35 anos de tentativas de criar um sedã que fizesse a alegria dos concessionários, em fevereiro de 2018 chegou a vez do Cronos. Importado da Argentina, o sedã derivado do Argo foi um pouco ofuscado pelo lançamento do Volkswagen Virtus, apresentado um mês antes e que acabou se tornando o segundo sedã compacto mais vendido do País – com as 3.955 unidades comercializadas em novembro, o modelo da marca alemã perde apenas para o Chevrolet Prisma, que emplacou 7.598 unidades no mesmo mês. Embora não tenha conseguido brigar pela liderança, o sedã da Fiat não anda fazendo feio – foram 2.384 unidades em novembro. Na linha Cronos, a versão topo de linha, a 1.8 Precision AT6, é a encarregada de enfrentar as configurações mais caras do subsegmento de sedãs compactos mais espaçosos e equipados, como o Virtus Highline, o Honda City EXL e o Chevrolet Cobalt LTZ. Modelos que já tentam “roubar” os consumidores dos sedãs médios.

No Cronos, o design é um ponto alto. As linhas da carroceria são dinâmicas e robustas, em um estilo que agrada à maioria. Na frente, o capô é diferenciado em relação ao do Argo e recebe novos vincos, além de terminar um pouco mais avançado em relação à grade, que é mais afilada e longa em comparação à do hatch – a parte negra tem formato de ondas. Os faróis de neblina foram posicionados logo abaixo dos principais. Atrás, na tampa do porta-malas, um elegante aerofólio dá um toque de esportividade. A solução da traseira é criativa e equilibrada. Remete a modelos maiores e mais sofisticados. As lanternas bipartidas de leds reforçam o requinte. Sob o capô, o Cronos Precision recebe o motor 1.8 E.TorQ, um quatro cilindros 16V flex que entrega 139 cavalos e 19,3 kgfm de torque com etanol. A aceleração de zero a 100 km/h da versão com câmbio automático de 6 marchas é de 9,9 segundos com etanol. É possível acionar as marchas manualmente, na manopla do câmbio ou por meio de “borboletas” atrás do volante.

O Cronos Precision é farto em itens de conforto. Traz alarme antifurto, alertas de limite de velocidade e manutenção programada, apoia-pé para o motorista, ar-condicionado, banco do motorista com regulagem de altura, banco traseiro bi-partido 60/40, brake light, central multimídia com tela de 7 polegadas touch com Android Auto e Apple CarPlay, Bluetooth e sistema de reconhecimento de voz, chave canivete com telecomando para abertura das portas, dos vidros e do porta-malas, computador de bordo, direção elétrica progressiva, controle eletrônico da aceleração, sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis, sistema de partida a frio sem tanque auxiliar de gasolina, assistente de partida em subidas, iluminação do porta-malas, retrovisores externos elétricos com função Tilt Down e setas integradas, sensor de estacionamento traseiro com visualizador gráfico, sistema Start/Stop, sistema de monitoramento de pressão dos pneus, tomada 12V, travas elétricas, vidros elétricos dianteiros e traseiros com one touch e antiesmagamento e volante com regulagem de altura e profundidade.

Itens de segurança também são de série na versão “top” do sedã. Estão presentes assistente de partida em subidas, sinalização de frenagem de emergência e controles dinâmicos de estabilidade e tração. As rodas têm 16 polegadas de série, mas o modelo opcionalmente pode vir com rodas de 17 polegadas, se incluir um pacote que contempla também bancos revestidos em couro e maçanetas e frisos das portas cromados. Também de forma opcional, é possível incluir quatro airbags e o sistema de chave presencial, que permite abertura e fechamento das portas e partida do motor por meio de botões. O Cronos Precision, na versão com transmissão automática de 6 velocidades, parte de R$ 71.990. Com todos os opcionais disponíveis e ainda pintura metálica ou perolizada, o preço beira os R$ 84 mil.

Um velho conhecido sob o capô

“Figurinha fácil” na linha da FCA, o motor flex 1.8 de 139 cavalos de potência e 19,3 kgfm de torque do Cronos AT6 é o mesmo que, com adaptações, movimenta a picape Fiat Toro e o Jeep Renegade. Recebeu atualizações, mas o fato de ser confrontado com concorrentes mais modernos – como o motor flex de um litro com três cilindros, turbinado e com potência máxima de 128 cavalos e 20,4 kgfm que move o Virtus – deixa claro que o propulsor do sedã da Fiat está um tanto “datado” e não é nenhum primor em termos de eficiência energética. Não que o desempenho do Cronos deixe a desejar. Pelo contrário, o Cronos 1.8 Precision AT6 roda com bastante agilidade. Arrancadas e ultrapassagens podem ser obtidas facilmente e sem esforço aparente. É no consumo de combustível que a diferença na eficiência energética é revelada. O Cronos 1.8 recebeu do Inmetro a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia – ENCE – como classificação “C” na comparação absoluta geral e “D” na comparação relativa na categoria. Já o sedã turbinado da rival Volkswagen, que entrega um pouco menos de potência que o Cronos 1.8 porém oferece um pouco mais de torque, se saiu melhor: levou classificação “B” no geral e “C” na categoria.

No Cronos, o torque de 19,3 kgfm está disponível em 3.750 rotações, contudo a partir de 2 mil giros o sedã não nega serviço. A utilização dos “paddle shifts” atrás do volante para acionar as marchas pode tornar a “brincadeira” mais divertida para quem gosta de buscar performances mais esportivas. Nas frenagens mais fortes, o bom equilíbrio se reafirma. A dianteira até mergulha um pouco, todavia a traseira se mantém sob controle. Já no trânsito urbano, o sistema start/stop dá sua contribuição para reduzir o consumo ao desligar o motor quando o motorista para. Assim que solta o freio, o motor religa de forma elegante, sem trepidações.

Embora o conjunto suspensivo seja mais voltado para o conforto, o Cronos encara bem as curvas rápidas. Nas de raio longo, a tendência é sair sutilmente de frente, porém nada que chegue a intimidar. A carroceria inclina dentro do aceitável. O controle eletrônico de estabilidade, que é item de série na versão, cumpre a importante função de “segurar a onda” quando o motorista se excede no acelerador. Quando o Cronos 1.8 Precision AT6 passa em algum buraco mais profundo, o impacto é transmitido aos ocupantes com menos sutileza do que se esperaria de um sedã familiar. Os pneus de perfil baixo (205/45 R17), embora ajudem no desempenho, certamente contribuem nesse “efeito colateral”.

*Por Luiz Humberto Monteiro Pereira, da Agência AutoMotrix

Tops da Gazeta