Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Sexta, 15 Março 2019 22:13

Na tendência da demanda

A sétima geração do sedã médio da Volkswagen desembarca em três versões, todas com o mesmo motor 1.4 TSI flex, produzido na cidade de São Carlos e enviado para a fábrica mexicana de Puebla, antes de voltar ao Brasil
O estilo é o mesmo expresso nos lançamentos mais recentes da marca, como o Polo, o Virtus, o Tiguan e o T-Cross O estilo é o mesmo expresso nos lançamentos mais recentes da marca, como o Polo, o Virtus, o Tiguan e o T-Cross Luiza Kreitlon/Agência AutoMotrix
Da Reportagem
De São Paulo

A Volkswagen do Brasil começou a importar o novo Jetta do México há seis meses, em outubro do ano passado, com um objetivo claro - brigar pela liderança entre os sedãs médios. Há tempos o segmento é dominado no mercado nacional pelo Toyota Corolla, seguido de longe por Honda Civic e Chevrolet Cruze - e o modelo da marca alemã, em suas gerações anteriores, jamais ameaçou esse trio. A sétima geração do sedã médio da Volkswagen desembarca em três versões, todas com o mesmo motor 1.4 TSI flex, produzido na cidade paulista de São Carlos e enviado para a fábrica mexicana de Puebla, antes de voltar ao Brasil. A mais básica é a 250 TSI, que sai por R$ 99.990, enquanto a intermediária é a 250 TSI Comfortline, a R$ 109.990. Mas é a "top" 250 TSI R-Line, que sai por R$ 119.990 e reúne os atributos para enfrentar o que os concorrentes têm de melhor - ou seja, as versões topo de linha dos sedãs médios das marcas generalistas.

O desenho do novo Jetta se esforça para não ser mais apenas uma "versão sedã do Golf" e tenta valorizar uma personalidade própria. O estilo é o mesmo expresso nos lançamentos mais recentes da marca, como o Polo, o Virtus, o Tiguan e o T-Cross. As superfícies planas parecem sobrepostas como se fossem entalhadas, o que reforça o aspecto de força e robustez. O design pode parecer meio previsível para alguns, mas o novo Jetta tem a chamada "family face" e é indisfarçavelmente um Volkswagen. Como diferenciais externos em relação ao restante da linha Jetta, a versão R-Line traz a grade dianteira em preto brilhante, com uma barra cromada na parte superior, e emblemas alusivos à configuração na grade, nas laterais dos para-lamas dianteiros e nas soleiras das portas, além das rodas de liga leve exclusivas.

Se na aparência as diferenciações entre as versões são sutis, é em termos de equipamentos que a R-Line se justifica. Além do bom pacote já incluso na versão Comfortline - ar-condicionado com duas zonas, seis airbags, controle de estabilidade e tração, diferencial com bloqueio eletrônico, revestimento em couro sintético, sistema multimídia com tela "touch" de 8 polegadas com espelhamento de celular, chave presencial para travas e ignição, frenagem de emergência em manobras, câmara de ré combinada com sensores dianteiros e traseiros, rodas de liga leve de 17 polegadas, sensores de luz e chuva, faróis e luzes diurnas em leds -, a versão topo de linha investe em tecnologias semiautônomas de auxílio ao motorista, que andam em alta no mercado automotivo global. Assim, lá estão o controle de cruzeiro adaptativo, os sistemas de frenagem de emergência, o alerta de colisão, o farol alto automático, o painel de instrumentos digital configurável com tela de 10,25" e o detector de fadiga. São apenas dois opcionais: teto solar, por R$ 4.990, e pintura metálica, por R$ 1.480, ou perolizada, por R$ 1.580.

Sob o capô está o motor turbo 1.4 TSi flex, o mesmo propulsor "made in Brazil" que move todas as versões atualmente disponíveis e que já equipava o Jetta anterior. Rende 150 cavalos de potência a 5 mil rpm e 25,5 kgfm de torque de 1.400 a 3.500 rotações. Em todas as versões atua em parceria com o câmbio automático de 6 marchas, com opção de acionamento manual na manopla. Está prevista a chegada de uma versão com um motor 350 TSI, um 2.0 turbo de 230 cavalos, o mesmo utilizado no Golf GTI.

Se a pretensão da Volkswagen é tentar brigar pela liderança do segmento de sedãs médios, o novo Jetta parece estar no caminho certo. No ano passado, entre a versão anterior e a atual, comercializada apenas no último trimestre, o sedã da Volkswagen vendeu 4.404 unidades - média mensal de 367 emplacamentos. Já esse ano, foram 504 unidades emplacadas em janeiro e 1.248 em fevereiro - apenas 215 unidades atrás do Cruze, o terceiro sedã médio mais vendido do País, que totalizou 1.463 emplacamentos no segundo mês do ano. Se mantiver a tendência de evolução nas vendas, em breve, o Jetta pode estar disputando um lugar no pódio brasileiro dos sedãs médios.

Dinamicamente elegante

O Jetta 2019 usa a nova plataforma modular MQB, compartilhada com outros modelos recentes da marca. Mescla aços nobres e técnicas de construção modernas, como as chapas de espessura variável, que se revertem em um bom nível de rigidez estrutural do conjunto. A plataforma disponibiliza diversos recursos de condução semiautônoma, como a função City Emergency Brake, que monitora a distância entre veículos durante o deslocamento e detecta riscos de colisão. Atua em situações de trânsito em cidades, acionando os freios automaticamente quando necessário.

A direção elétrica é suave nas manobras de estacionamento e impõe a firmeza necessária nas altas velocidades. O sistema start-stop de segunda geração desliga o motor um pouco antes da parada completa do carro, para colaborar na economia de combustível.

O motor 250 TSI 1,4 litro turbo rende 150 cavalos de potência e torque de 25,5 kgfm de 1.400 a 3500 rpm, tanto com gasolina quanto com etanol. É força bastante para fazer o sedã mostrar boa disposição nas situações cotidianas de uso. O zero a 100 km/h é feito em 8,9 segundos, com máxima prevista para 210 km/h, números que dão conta de que se trata de um sedã “esperto”, embora sem uma esportividade exacerbada. O câmbio automático de 6 marchas se entende bem com o propulsor. Em condução normal, a evolução das marchas é extremamente sutil. Quando há uma pressão mais abrupta no pedal do acelerador, o sistema leva alguns instantes além do desejável para entender a demanda, mas a reação vem na medida e sem qualquer sinal de “preguiça”.

Uma rara “bola fora” do Jetta R-Line é o fato de inexplicavelmente não oferecer a opção de trocas sequenciais por meio de aletas no volante – modelos mais baratos da Volkswagen, como é o caso do Virtus e do Gol, oferecem paddle shifts. O avanço ou retrocesso das marchas podem ser feitos apenas na alavanca de câmbio, o que não é tão divertido assim. Já o conjunto suspensivo surpreende positivamente.


*Por Luiz Humberto Monteiro Pereira/Agência AutoMotrix

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado