Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Sexta, 19 Abril 2019 00:51

O modelo LE 4x4 é o que melhor representa a evolução da geração Frontier

O veículo é movido pelo motor 2.3 de quatro cilindros e 16 válvulas em sua versão biturbo de 190 cavalos
A suspensão traseira com sistema multilink e molas helicoidais trabalha em conjunto com um eixo rígido A suspensão traseira com sistema multilink e molas helicoidais trabalha em conjunto com um eixo rígido Luiza Kreitlon/Agência AutoMotrix
Da Reportagem
De São Paulo

A Frontier tem mais de duas décadas de presença no mercado brasileiro, onde desembarcou em 1998, importada do Japão. Em 2002, a picape média tornou-se o primeiro Nissan “made in Brazil”, montada na unidade industrial da Renault em São José dos Pinhais, no Paraná. Com o encerramento da produção nacional, em 2016, a 12ª geração da Frontier chegou ao Brasil em março de 2017, trazida inicialmente do México. Desde o final de 2018, passou a vir da Argentina, da fábrica de Córdoba - na qual também serão produzidas as picapes Renault Alaskan e Mercedes-Benz Classe X, que partilham a plataforma.

Além do status tributário do “certificado de cidadania” do Mercosul, a mudança da origem industrial viabilizou uma maior interação com a Nissan do Brasil, o que permitiu aprimoramentos para atender à demanda dos consumidores brasileiros. Agora são quatro versões - S 4x4, Attack 4x4, XE 4x4 e LE 4x4 -, todas com motor 2.3 turbodiesel. E a “top” LE 4x4, que custa R$ 193.290, é a que melhor representa a evolução da atual geração da Frontier.

A 12ª geração da Frontier é “parruda” - tem 5,26 metros de comprimento, 1,82 metro de altura (1,86 metro na versão LE) e 1,85 metro de largura total - e seu design é musculoso e equilibrado. A grade “V Motion” e os faróis em formato de bumerangue deixam evidente a identidade com a família atual de modelos da Nissan. Em relação ao modelo mexicano, a Frontier argentina foi aprimorada. A suspensão traseira com sistema multilink e molas helicoidais trabalha em conjunto com um eixo rígido e recebeu molas maiores, visando dar mais estabilidade e respostas mais rápidas na direção. Já a suspensão dianteira de arquitetura com braço duplo assistido por barra estabilizadora ganhou nova geometria. Os freios e os cilindros traseiros estão maiores para tornar a reação do pedal mais eficiente. O travamento automático das portas com o carro em movimento agora é de série em todas as versões. Cinto de três pontos para os três passageiros da parte traseira e sistema Isofix para a retenção de cadeiras infantis são outras novidades da linha 2019.

Mas a configuração LE 4x4, movida pelo motor 2.3 de quatro cilindros e 16 válvulas em sua versão biturbo de 190 cavalos, é a que incorpora as principais inovações da linha. Como a Visão 360 Graus Inteligente, um sistema formado por quatro câmeras (na grade dianteira, na tampa da caçamba e duas na parte inferior dos retrovisores externos) que permite ao motorista ter uma visão completa do entorno da Frontier. Por meio da tela do sistema multimídia no painel, é possível analisar visualmente a posição do veículo em relação às marcas no chão de um estacionamento e aos objetos no ambiente, como se estivesse sendo visto por uma câmera aérea.

O sistema está associado ao Detector Inteligente de Objetos em Movimento (Moving Object Detection), que alerta ao motorista por meio de um aviso sonoro quando - ao manobrar de ré - algum pedestre, carro, poste, criança, animal ou objetos estão perto do carro e não foram visualizados. O painel de instrumentos em TFT também recebeu aperfeiçoamentos, com novas opções de telas informativas: velocímetro digital, temperatura externa e bússola digital. Além disso, a versão LE 4x4 vem de série com sensor de estacionacionamento, luzes diurnas (DRL) nos faróis de leds, luz de freio de leds (CHMSL) e o Vehicle Dinamic Control (VDC), que reúne os controles eletrônicos de estabilidade e de tração. O limitador de diferencial (LSD), ao perceber que uma das rodas está deslizando, a freia automaticamente e manda a potência extra às rodas com mais tração.

São igualmente exclusivos da versão “top” de linha da Frontier o teto solar, os seis airbags, as rodas aro 18 calçadas em pneus Bridgestone e o sistema multimídia A-IVI. Com tela de oito polegadas, o novo multimídia inclui os aplicativos Android Auto e iPhone CarPlay, assistência de voz e atualizações de software e do aplicativo do GPS via Wi-Fi. Com o aplicativo “Door-To-Door Navigation”, antes de se dirigir à Frontier, basta que o motorista coloque o destino no aplicativo, disponível sem custos na Play Store e no iTunes e que deve estar instalado no smartphone do proprietário. Ao entrar no carro, a rota para o destino é automaticamente transferida para a tela do multimídia assim que o equipamento é ligado, facilitando a viagem.

Vigor de sobra

Com 190 cavalos a 3.750 rpm e 45,9 kgfm a 2.500 rpm, o motor diesel 2.3 trabalha em harmonia com o câmbio automático de 7 marchas com função manual sequencial, que gerencia bem as mudanças e proporciona um funcionamento suave e boa performance. Não parece ser necessário explorar as mudanças manuais, disponíveis na alavanca do câmbio. Apesar de ter quase duas toneladas, o conjunto mecânico faz a Frontier se deslocar com surpreendente leveza. A direção é hidráulica e não é das mais leves em manobras, mas é bastante direta em altas velocidades.

A suspensão é um destaque da Frontier. O conjunto dianteiro tem ajuste mais macio e focado no conforto e o sistema multilink com molas helicoidais na traseira entrega um bom equilíbrio dinâmico. As saídas de traseira, comuns em picapes que rodam sem carga na caçamba, são raras. Quando ocorrem, são bastante sutis e facilmente controláveis. Em pisos ruins, o conjunto suspensivo se comporta corretamente e cumpre a função de filtrar grande parte das irregularidades.

Para quem gosta de off-road, a Frontier 2019 oferece tração 4x4 com reduzida e bloqueio do diferencial traseiro. O sistema Shift On The Fly permite acionar as opções de tração integral e reduzida girando um comando de uma manopla no painel. Seja sobre barro, buracos ou pedras, a estabilidade em trechos fora-de-estrada impressiona e o conjunto passa uma percepção de confiabilidade. São de série o Controle Inteligente de Descida (HDC) e o Sistema Inteligente de Partida em Rampa (HSA), que atuam automaticamente nos freios do veículo para controlar o carro sem sustos em descidas íngremes e saídas da imobilidade em aclives e ajudam a manter a “brincadeira” mais segura e divertida. O limitador de diferencial (LSD), ao perceber que uma das rodas está deslizando, a freia automaticamente e manda a potência extra às rodas com mais tração. A boa altura em relação ao solo e os ângulos de entrada (30,6 graus) e saída (27,7 graus) possibilitam encarar trechos mais inclinados.


*Por Luiz Humberto Monteiro Pereira, da Agência AutoMotrix

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado