últimas notícias
A ação batizada de Tânatos cumpriu 4 mandados de prisão e 20 de busca e apreensão; ao menos duas pessoas foram presas
A ação batizada de Tânatos cumpriu 4 mandados de prisão e 20 de busca e apreensão; ao menos duas pessoas foram presas
Foto: Andre Melo Andrade/Immagini/Folhapress

Grupo criminoso cobrava até R$ 1,5 milhão por assassinato

Polícia Civil e MP-RJ realizaram uma operação contra integrantes do Escritório do Crime, um grupo formado por policiais, ex-policiais e milicianos

Nesta terça-feira (30), a Polícia Civil e o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) realizaram uma operação contra integrantes do chamado Escritório do Crime, um grupo formado por policiais, ex-policiais e milicianos. De acordo com investigação, os criminosos cobravam até R$ 1,5 milhão por assassinato e usavam drones para vigiar os alvos.

O grupo chegou a ser investigado pelo atentado, em março de 2018, contra a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes.

A ação batizada de Tânatos cumpriu 4 mandados de prisão e 20 de busca e apreensão. Foram presos no início da manhã Leonardo Gouvêa da Silva, vulgo MAD, e Leandro Gouvêa da Silva, conhecido como Tonhão. Além deles, também eram alvo da operação Anderson de Souza Oliveira, o Mugão e João Luiz da Silva, o Gago.

De acordo com o Ministério Público, a operação é resultante de três denúncias sobre supostos crimes cometidos pelo grupo, que possuía ligação com Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como Capitão Adriano, "que exercia forte influência sobre o bando". Adriano foi morto em fevereiro deste ano durante operação que buscava prendê-lo na Bahia. A polícia acredita que após a morte de Adriano, Mad assumiu o comando do Escritório do Crime.

*Com informações de Folhapress

Comentários

Tops da Gazeta