últimas notícias

Povo espera renovação, mas elege figurinhas repetidas

Na esfera paulista, a quantidade de candidaturas à reeleição indica a possibilidade de que este seja o ano com o menor índice de renovação da história da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), superando 2014, quando 62 deputados se mantiveram no cargo – ou 69,1% da Casa. Por Marcelo Tomaz De São Paulo

Em fevereiro, um levantamento realizado pelo Instituto Paraná Pesquisas mostrou que 72% dos brasileiros esperam que o Brasil viva uma renovação política em 2018. Os dados históricos das últimas eleições, entretanto, mostram que dificilmente o povo terá seu desejo atendido em outubro – por única e exclusiva culpa dele mesmo.

Na lista de candidatos ao Palácio do Planalto, por exemplo, são poucas as novidades: um ex-presidente, diversos ex-ministros e nomes que já estiveram no Congresso Nacional, foram governadores ou ao menos já se candidataram em eleições passadas.

Se seguir a tendência das disputas passadas, o índice de renovação na Câmara dos Deputados também não será alto. Dos 513 nomes eleitos em 2014, 273 – 53,2% – já faziam parte da legislatura anterior. Nas sete eleições ocorridas desde 1990, o percentual médio de candidatos tentando a reeleição é de 80,5%. Deles, 54,8% costumam atingir seu objetivo.

Já entre os 54 senadores que estão em fim de mandato, 34 irão tentar manter o cargo neste ano – aproximadamente 61% do total. Apenas nove não concorrerão a nenhum cargo. Há ainda três candidatos aos governos estaduais, um a vice-governador e um suplente de senador. Outros seis desistiram de tentar a reeleição para buscar uma vaga entre os deputados federais – que precisam de votação menor – já que temem perder o foro privilegiado.

Na esfera paulista, a quantidade de candidaturas à reeleição indica a possibilidade de que este seja o ano com o menor índice de renovação da história da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), superando 2014, quando 62 deputados se mantiveram no cargo – ou 69,1% da Casa.

O número de deputados estaduais reeleitos em São Paulo só aumenta desde 1990, quando 20 dos 84 parlamentares da legislatura anterior foram reconduzidos. Em 1994, foram 24 reeleitos. Quatro anos mais tarde, quando a Alesp já tinha 94 deputados, o número de reeleitos quase dobrou – foram 44. Em 2002, 47 conseguiram permanecer, contra 49 em 2006 e 60 em 2010.

A pequena disposição do eleitor em mudar o sistema também é um dos fatores que dificulta a renovação. Tamanha insatisfação com a política tem refletido no índice significativo de eleitores que prefere votar em ninguém.

Votos brancos e nulos crescem a cada pesquisa de intenção de votos e, segundo o Datafolha, atingiram patamares recordes em junho. A depender do cenário, o número de pessoas que declara votar branco ou nulo varia de 17% a 28%.

Tops da Gazeta