Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Quinta, 13 Setembro 2018 16:29

Com campanha mais ofensiva em 2018, Marina de 2010 prometia nenhum ataque

Embora continue pregando conciliação, Marina adotou um tom mais ofensivo em relação aos outros candidatos, com críticas a atitudes e ao histórico político
Em sabatina do jornal O Globo, Marina disse que considera Lula corrupto e afirmou que o ex-presidente "está sendo punido por graves crimes" Em sabatina do jornal O Globo, Marina disse que considera Lula corrupto e afirmou que o ex-presidente "está sendo punido por graves crimes" José Cruz/Agência Brasil
Por Folhapress

A mesma Marina Silva (Rede) que, nesta eleição, partiu para o ataque contra Jair Bolsonaro (PSL) e disse que Lula (PT) é corrupto evitava embates diretos, oito anos antes, até no papel.

Embora continue pregando conciliação, Marina adotou um tom mais ofensivo em relação aos outros candidatos, com críticas a atitudes e ao histórico político.

Em 2010, o programa da presidenciável apresentado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) prometia fazer uma campanha com "debates de propostas" e sem "qualquer tipo de ataque pessoal".

"Pautar o período de campanha pelo debate de ideias e propostas sobre o Brasil evitando factoides, embates vazios e consensos ocos", informava um dos tópicos.

Outro pontuava que "nenhum ataque ou ofensa pessoal será dirigida a qualquer candidato".

A aversão de Marina a críticas diretas e assuntos espinhosos era levantada nos debates por Plínio de Arruda Sampaio (PSOL, 1930-2014), que chamava o perfil escorregadio da adversária de demagogia.

Em debate na TV Record, ao responder a provocação de que fugia de assuntos polêmicos, ela disse a Plínio: "Na democracia é assim, você tem até o direito de me rotular, mas eu reivindico o direito de continuar debatendo com respeito."

Ele rebateu. "Marina, você rotula [os outros candidatos] transversalmente -aliás você gosta muito de dizer isso", disse Plínio, ironizando um jargão da candidata.

"Você acabou de me rotular: 'o Plínio gosta de pôr os outros para baixo'", acrescentou.

Quatro anos depois, ao virar tardiamente candidata após a morte de Eduardo Campos (PSB), Marina virou um dos principais alvos de críticas da candidata à reeleição Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula, de quem foi ministra do Meio Ambiente.

Em palanque, Lula chegou a dizer que, indiretamente, que a candidata queria "acabar com o pré-sal". "Se for necessário, Dilma, me fale que vou mergulhar e buscar lá no fundo [do mar] o petróleo", disse.

À Folha, a candidata chegou se emocionar e chorar ao falar dos ataques que recebeu do petista.

Marina, que chegou a ficar empatada em primeiro lugar com Dilma nas pesquisas, acabou fora do segundo turno e apoiou o opositor, Aécio Neves (PSDB).

Em 2018, Marina já começou a disputa com um perfil mais crítico, apesar de continuar prometendo que não pretende "destruir a biografia de ninguém" e "oferecer a outra face a ataques".

Tem dito que não é fraca e tentando reforçar uma imagem de firmeza. Antes do início oficial das eleições, afirmou que Geraldo Alckmin (PSDB) é "uma espécie de Dilma de calças" por causa da aliança do tucano com o centrão.

Também tem criticado Bolsonaro por ser armamentista e, no debate da RedeTV!, disse que ele "acha que pode resolver tudo no grito, na violência" e que ensinou uma criança a atirar.

Em sabatina do jornal O Globo, disse ainda que considera Lula corrupto e afirmou que o ex-presidente "está sendo punido por graves crimes".

Procurada, a campanha de Marina não se manifestou.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado