Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Sexta, 21 Setembro 2018 12:09

Haddad quer preservar meta única do Banco Central contra a inflação

Haddad quer manter o atual regime de atuação do BC, baseado na perseguição de uma meta única: o controle da inflação a partir da definição da taxa básica de juros
Antes de ser oficializado candidato, Haddad disse a investidores que era favorável à manutenção do atual regime, apesar do programa do PT falar em mandato dual Antes de ser oficializado candidato, Haddad disse a investidores que era favorável à manutenção do atual regime, apesar do programa do PT falar em mandato dual José Cruz/Agência Brasil
Por Folhapress

Candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad quer manter o atual regime de atuação do Banco Central, baseado na perseguição de uma meta única: o controle da inflação a partir da definição da taxa básica de juros.

Instaurado em 1999, ainda no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), o modelo foi mantido nas gestões petistas.

Antes de ser oficializado candidato, Haddad disse a investidores que era favorável à manutenção do atual regime, apesar de o programa de governo do PT, publicado posteriormente, falar em mandato dual, ou seja, ter duas metas: inflação e emprego.

"O Banco Central reforçará o controle da inflação e assumirá também o compromisso com o emprego (mandato dual). Será construído, de forma transparente, um novo indicador para a meta de inflação que oriente a definição da taxa básica de juros (Selic). Ademais, será estimulado o aumento da concorrência, que contemple novos mecanismos de incremento da produtividade, ampliando a desindexação da economia", diz o texto do PT, coordenado por Haddad e chancelado pelo ex-presidente Lula.

A proposta de estabelecer a inflação e o emprego como metas conjuntas é geralmente ligada à esquerda. Aliados de Haddad, porém, afirmam que ele costuma dizer que "não há macroeconomia de esquerda, existe macroeconomia e ponto".

Dessa forma, como já fez em outras ocasiões, o candidato pondera que o programa de governo foi feito com a colaboração de diversas pessoas, sinalizando que pode haver flexibilizações. O objetivo é deixar claro que não haverá nenhum cavalo de pau na economia.

Durante a sabatina promovida pela Folha de S.Paulo, UOL e SBT, na segunda-feira (17), por exemplo, Haddad chegou a fazer um aceno ao atual presidente do BC, Ilan Goldfajn, e disse ter com ele "uma boa relação".

Há um mês, os dois se encontraram em São Paulo. Na ocasião, Haddad explicou sua proposta de tributação do sistema bancário. Segundo o petista, Ilan viu "com bons olhos" a iniciativa de reduzir impostos de quem baixar os juros e cobrar mais de quem aumentá-los, porém sem elevar a carga tributário do setor.

Pessoas próximas a Haddad dizem que o perfil de Ilan seria "perfeito" para um eventual governo do petista, mas que ele não poderia manter alguém que, apesar de seus méritos, tenha participado da gestão Temer (MDB).

Quem conhece o candidato afirma que, caso ele vença em outubro, não colocará nenhum político de carreira no BC e em pastas como Fazenda, Planejamento e Educação - desta última ele mesmo foi ministro por sete anos, no governo Lula.

Como mostrou a Folha de S.Paulo nesta quarta (19), para comandar sua equipe econômica Haddad procura um não economista, de perfil moderado e independente. Acredita que a pluralidade das escolas econômicas deve estar representada no governo, mas o ministro da Fazenda não pode ser muito atrelado a nenhuma delas.

Esse aceno ao centro foi antecipado contra a vontade de algumas alas do PT, que queriam que o movimento fosse feito apenas no segundo turno.

O crescimento de Jair Bolsonaro (PSL) nas pesquisas, no entanto, preocupou o grupo próximo a Haddad, que avaliou que era preciso sinalizar desde já contra o avanço do antipetismo pregado pelo capitão reformado.

O sentimento contra o PT ganhou espaço entre investidores. Seduzidos pelas ideias liberais da equipe de Bolsonaro, eles temem que Haddad, se eleito, faça um governo de vingança ao mercado.

A ideia é que Haddad deixe transparecer que não haverá uma gestão de ódio contra o setor financeiro e que seu perfil conciliador vai levá-lo a compor uma aliança com outros partidos e grupos.

A partir de agora, a campanha petista vai pregar que a eleição se dará entre a "civilidade" e a "barbárie".

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado