últimas notícias

'Militar que foge do debate não honra a farda', diz Haddad

Haddad afirmou em entrevista que Bolsonaro tinha autorização médica para participar do debate da TV Globo nesta sexta (26), mas que decidiu não ir por opção estratégica Por Folhapress De São Paulo

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, voltou a chamar o adversário, Jair Bolsonaro (PSL), de fujão.

Em entrevista à rádio Globo de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, ele lembrou que estava programado para esta sexta-feira (26) um debate entre os dois na TV Globo e que o capitão reformado tinha autorização médica para participar, mas que Bolsonaro decidiu não ir por opção estratégica.

"Militar que foge do debate não honra a farda", provocou Haddad.

Ao falar para o eleitor do Centro-Oeste, onde enfrenta rejeição, Haddad prometeu dobrar o efetivo da Polícia Federal para federalizar o combate ao crime organizado. Ele disse que Bolsonaro propõe a privatização da segurança pública ao defender a liberação para compra de armas sem necessidade de porte.

"A proposta dele é privatizar a segurança pública, é um salve-se quem puder. Você se arma e você se defende", disse Haddad.

Na entrevista, o petista se apresentou como um professor que vive de seu salário e disse integrar a família Haddad que mora em Campo Grande.

Ele criticou Bolsonaro por ter apoiado proposta do governo Temer de adiar, para 2035, a implantação do Sisfron, que é o sistema de vigilância das fronteiras, prometendo antecipá-la em dez anos.

Haddad disse também que, além de absurda do ponto de vista pedagógico, a proposta de Bolsonaro de adoção de educação à distância no ensino fundamental prejudica o agronegócio, já que reduzirá a compra de alimentos para as merendas.

Sobre os conflitos de terra na região, Haddad disse existir um setor do agronegócio que não produz. "Simplesmente especula com a terra". Segundo ele, "o grande conflito de terra que existe no Brasil é por causa da baixa produtividade de parte do setor do agronegócio".

"Vamos colocar pressão sobre o agronegócio que não produz"., acrescentou.

Tops da Gazeta