últimas notícias

Gilmar Mendes pede 'cautela' em ações da Justiça em universidades

O ministro considera que a Justiça precisar ter "cautela" para não evitar exageros em ações relativas às manifestações políticas em universidades Por Folhapress De São Paulo

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes considera que a Justiça precisar ter "cautela" para não evitar exageros em ações relativas às manifestações políticas em universidades.

"É preciso que façamos uma reavaliação para não valorizarmos uma ação repressiva e que possamos valorizar uma relação mais dialógica. Nós precisamos ter uma relação dialógica e menos repressiva", considerou, nesta sexta-feira (26), durante agenda na universidade Uninove, na capital paulista.

Nesta semana foram registradas ações da polícia e da Justiça Eleitoral que fiscalizaram universidades públicas do país com supostas propagandas eleitorais irregulares. As manifestações políticas não faziam menção direta a algum candidato ou partido.

Segundo especialistas em direito eleitoral, essa série de operações é "um grave atentado à democracia e à liberdade de expressão".

Na terça-feira (23), a Justiça determinou que a UFF (Universidade Federal Fluminense) retirasse uma bandeira com os dizeres "Direito UFF antifascista".

A universidade retirou a bandeira sem que houvesse mandado judicial, e os alunos estenderam outra no dia seguinte com apalavra "censurado".

A decisão judicial foi determinada após a Justiça receber 12 denúncias contra a manifestação, as quais sustentavam que a faixa teria "conteúdo de propaganda eleitoral negativa contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro [PSL]".

O ministro disse que as universidades são vitais para o pensamento e que a sociedade precisa lidar essas manifestações "com certa compreensão e tolerância" e que não são todas as que traduzem manifestações de apoio a partidos políticos ou políticos.

"Muitas vezes não é o candidato que manda seus seguidores fazerem isto ou aquilo, mas os sinais emitidos a partir dessas lideranças acabam estimulando determinados exageros", disse Gilmar.

O ministro considerou também que em um segundo turno a temperatura das discussões políticas "sobe demais". Nesse contexto os juízes eleitorais recebem diversas manifestações e tomam a maior parte das decisões quase que de forma monocrática, sem levar ao colegiado.

"[Pode ocorrer] aqui ou acolá o exagero de uma denúncia", disse, relativizando que não conhece especificamente as ações movidas essa semana.

Tops da Gazeta