últimas notícias

'Se fosse fácil, não seria para nós', diz Mourão sobre reforma da Previdência

Em entrevista ao Jornal das 10, da GloboNews, Mourão afirmou que na reforma da Previdência dos militares "tudo é negociável, menos a integralidade e a paridade" Por Folhapress De São Paulo

O vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão, disse nesta quarta-feira (27) que na reforma da Previdência dos militares "tudo é negociável, menos a integralidade e a paridade".

A integralidade mantém o valor da aposentadoria igual ao do último salário recebido pelo militar enquanto estava na ativa. Enquanto a paridade diz respeito a equiparação dos aumentos do benefício ao dos salários dos militares que ainda trabalham.

O texto enviado ao Congresso pelo governo Bolsonaro tira da Constituição a regra que determina reposição da inflação para os benefícios acima do salário mínimo pagos a aposentados e pensionistas da iniciativa privada e do setor público. A proposta atual não trata sobre militares.

Na última segunda, o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, voltou a dizer que o projeto de lei que altera regras para militares será enviado até 20 de março.

Durante entrevista ao Jornal das 10, da GloboNews, o vice-presidente afirmou que a reforma da Previdência não irá resolver todos as questões do país, mas é importante para melhorar a imagem do país frente aos investidores estrangeiros.

"A Reforma da Previdência não é uma panaceia, não vai resolver todos os nossos problemas. Mas vai dar um alívio inicial para as contas do governo e passará uma imagem melhor desse governo que está começando".

Sobre as negociações com o Congresso para a aprovação da proposta, Mourão disse que já existe um grupo de deputados comprometidos com a reforma. "E tem uma parcela enorme dos parlamentares que chegaram agora com quem precisamos conversar", afirmou.

Mourão também afirmou que o Executivo deve fazer um trabalho de convencimento tanto com os membros do Legislativo, como com a população. Segundo o general, a Nova Previdência não irá diminuir o benefício dos mais pobres. Pontos como o BPC (benefício de prestação continuada) pago aos idosos em situação de miséria, e a aposentadoria rural têm gerado maior resistência à proposta do governo entre os deputados.

O general afirmou que o desafio para aprovar a proposta é grande. "Se fosse fácil não seria para nós", disse.

Tops da Gazeta