últimas notícias
Padre Júlio Lancellotti é o coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo
Padre Júlio Lancellotti é o coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo
Foto: Reprodução/Instagram

Padre Júlio Lancelotti registra ocorrência após xingamento; candidato seria motivo de agressões

Padre diz ser alvo de uma campanha de difamação vindo do candidato à prefeitura, deputado federal Arthur do Val (Patriotas)

Nesta terça-feira (15), o coordenador da Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo, padre Júlio Lancellotti, registrou um boletim de ocorrência por ameaça após ter sido xingado por um motoqueiro durante um atendimento a moradores de rua no centro da Capital.

O padre diz ser alvo de uma campanha de difamação vindo do candidato à prefeitura, deputado federal Arthur do Val (Patriotas). O deputado nega as acusações.

Em vídeo publicado em uma rede social, o padre diz que as ameaças aumentaram após ataques do candidato.

“Estava aqui na praça com os irmãos de rua e passou uma moto por aqui e o cara falou: ‘padre filho da puta que defende noia [usuário de droga]’. Depois dos ataques de alguns candidatos à prefeitura contra mim, eu estou cada vez mais em risco. Então quero deixar claro, se me acontecer alguma coisa, se eu for atingido por alguém vocês sabem de quem é a culpa, de quem cobrar”, afirmou o coordenador.

O candidato tem publicado vídeos nas redes sociais chamando o padre de “cafetão da miséria”. "O que o Padre Lancellotti faz é deplorável. A Igreja Católica tem uma linda história e não pode ficar a mercê de um cafetão da miséria. Vou desmascarar esse padre", escreveu Arthur do Val em uma rede social.

Ainda na terça-feira (15), o deputado negou que tenha ameaçado ou incentivado ameaças ao padre.

“O padre Júlio Lancellotti soltou um vídeo falando que eu estou o ameaçando, que eu estou incentivando as pessoas a fazerem violência contra ele. (...) Não tem ‘algum candidato à prefeitura’, tem eu, Arthur do Val, que estou questionando tudo aquilo que o senhor faz e mantém as pessoas na miséria. (...) Eu não estou [ameaçando]. É mentira. Eu duvido você achar um vídeo meu, uma postagem minha sequer, ameaçando o padre de fazer alguma coisa, alguma violência contra ele ou incentivando que outras pessoas o faça”, disse em um vídeo.

Através da assessoria, Arthur Do Val disse que não incitou “nenhum tipo de violência contra ele”.

"O caminho para antagoniza-lo é o do debate público. Reitero o que disse antes, ele é um cafetão da miséria. Apoiador de movimentos que invadem propriedade privada. Muito em breve eu vou desmascará-lo", disse a assessoria.

Comentários

Tops da Gazeta