últimas notícias
Volta às aulas na rede municipal de ensino de SP
Volta às aulas na rede municipal de ensino de SP
Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress

Prefeitura de SP pretende contratar 5 mil mães para atuar nas escolas

Mulheres atuarão como agentes de protocolos de saúde contra a Covid-19, com o papel de, por exemplo, aferir a temperatura de estudantes

A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), vai contratar cinco mil mães de alunos da rede pública municipal para trabalhar nas escolas como agentes de protocolos de saúde contra a Covid-19. As informações são do portal "G1".

De acordo com o portal, elas serão responsáveis por aferir a temperatura dos estudantes na entrada da unidade de ensino, higienização dos equipamentos de uso coletivos e fiscalizar o cumprimento das medidas de distanciamento e uso correto da máscara e do álcool gel.

Leia mais:

A intenção da gestão municipal, que ainda desenvolve o plano, é voltar a vaga às mulheres desempregadas. Elas vão receber um salário em torno de R$ 1 mil mensais durante a vigência do contrato, que deverá ser de seis meses. Mais detalhes devem ser divulgados pela Secretaria Municipal da Educação nos próximos dias.

Retorno

As escolas municipais de São Paulo retomaram o ensino presencial nesta segunda-feira, sob críticas de profissionais e entidades ligadas à educação em relação aos riscos de disseminação de casos da Covid-19 e da falta de funcionários de limpeza. A prefeitura garante ter desenvolvido um novo protocolo de limpeza das unidades escolares.

Pelo menos 530 das quatro mil escolas da rede não reabrieam porque não têm funcionários de limpeza. “A volta às aulas presenciais já seria um risco se as escolas estivessem em plenas condições de funcionamento, imagine com o atual abandono do ensino público na Capital”, reclamou o vereador Celso Giannazi (PSOL).

A prefeitura disse que a empresa responsável pelo serviço de limpeza dessas unidades abandonou o contrato e será punida. A gestão Bruno Covas (PSDB) afirmou ainda que nenhuma escola terá mais de 35% dos estudantes e que será obrigatório o uso de máscaras por professores e estudantes.

Comentários

Tops da Gazeta