últimas notícias

Gestão Covas limita exames solicitados por médicos de UBS

O documento define os protocolos que os médicos deverão adotar ao solicitar 45 tipos de exames de mamografia, ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética Por Folhapress

A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, sob gestão Bruno Covas (PSDB), mudou os protocolos para a realização de exames na rede municipal, limitando as solicitações feitas por médicos do programa Saúde da Família e dos postos de saúde. As alterações estão em vigor desde maio, mas foram publicadas nesta semana.

O documento define os protocolos que os médicos deverão adotar ao solicitar 45 tipos de exames de mamografia, ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

Dentre as mudanças, a principal está relacionada com a atuação do médico que solicita o exame. A partir de agora, há apenas quatro pedidos que clínicos sem especialidade, como os da rede de Saúde da Família e das UBSs (Unidades Básicas de Saúde), poderão pedir: mamografia bilateral para rastreamento, ultrassonografia de abdome superior e total e ultrassonografia obstétrica e obstétrica morfológica.

Para outros tipos de exames, como ultrassom urinário e ultrassom transvaginal, realizados com frequência por usuários da rede pública de saúde, a solicitação deverá ser feita por um especialista na área.

Para o médico Ademir Lopes Júnior, diretor do Simesp (Sindicato dos Médicos de São Paulo), o novo modelo deve aumentar ainda mais a fila de espera por uma consulta com especialista, que atualmente leva em média dois meses para ser feita. “Definir diretrizes nunca é demais, mas restringir o pedido de exames limita o trabalho dos médicos do SUS” diz.

Já para Gonzalo Vecina Neto, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP, a proposta é bem-vinda. “Desde o começo dos sintomas, o paciente será acompanhado por um especialista no assunto, o que é positivo”, afirma.

A Secretaria Municipal da Saúde disse por meio de nota que os protocolos são atualizados “para melhor organizar o fluxo de atendimento de acordo com a hierarquia e complexidade dos níveis de atendimento”.

Tops da Gazeta