últimas notícias

Justiça adia julgamento de chacina na Pavilhão 9

A audiência estava marcada para esta quarta, porém uma série de testemunhas faltaram à sessão; a chacina ocorreu em março de 2015. Por Estadão Conteúdo

A Justiça de São Paulo adiou o júri popular que julgaria o ex-policial militar Rodney Dias dos Santos, acusado de participar da chacina da torcida Pavilhão 9, do Corinthians, que terminou com oito pessoas executadas a tiros em 2015. A audiência estava marcada para esta quarta-feira Segundo o Tribunal de Justiça, uma série de testemunhas faltaram à sessão, o que causou o aditamento. O julgamento foi remarcado para o dia 25 de março.

A chacina ocorreu em março daquele ano, à noite, durante um churrasco na quadra da Pavilhão, na Ponte dos Remédios, zona norte de São Paulo, que antecedia uma partida entre Corinthians e Palmeiras. Segundo o Ministério Público Estadual (MPE), Santos e mais duas pessoas renderam todos os presentes na festa porque buscava Fábio Neves Domingos, o “Dumemo”, de 34 anos.

Dumemo e Santos, ainda segundo o MPE, eram traficantes de droga que atuavam na região do Ceagesp, e estavam disputando espaço. O ex-PM, na época ainda policial, teria ido à quadra para assassinar o rival. Os demais mortos teriam sido asssissinados para não revelar os autores dos crimes.

Seis testemunhas estavam convocadas para o julgamento. Quatro eram da defesa de Santos. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Santos.

O ex-PM deve responder por homicídio doloso com duas qualificadoras: motivo torpe e recurso que impossibilitou defesa das vítimas. Contra o réu pesam reconhecimentos de duas testemunhas - antes das execuções, alguns membros da torcida conseguiram fugir.

Eles deveriam confirmar aos jurados o depoimento dado nas primeiras fases do processo.

Tops da Gazeta