últimas notícias

Metrô de SP rompe contrato de máquinas de bilhetes

Companhia também multa a empresa responsável pelo fornecimento de 153 máquinas. Por Folhapress

O Metrô de São Paulo, do governo João Doria (PSDB), afirmou que, após problemas, rescindiu o contrato e multou a empresa responsável pelo fornecimento de 153 máquinas para venda de bilhetes unitários em várias estações da linha metroviária. O investimento foi de R$ 24 milhões.

Na última segunda-feira, na linha 1-azul, dos 65 totens encontrados em 12 estações, 58 não funcionavam. Algumas, como Liberdade e Santa Cruz, estavam com os equipamentos desativados.

Na estação Portuguesa-Tietê, que abriga o Terminal Rodoviário, uma fila enorme se formava para compra dos tíquetes unitários na bilheteria - de cinco guichês, três funcionavam. Os seis equipamentos de autoatendimento estavam desativados.

A cozinheira Aparecida da Silva, 47 anos, enfrentou quase 10 horas de viagem de ônibus de Belo Horizonte. “Chego aqui e fila para comprar o bilhete”, lamentou.

Na linha 2-verde, na Consolação, de oito, quatro máquinas operavam. Uma delas, contudo, estava sem moeda para troco.

Em nota, o governo disse que os EVBA (equipamentos de venda de bilhetes em autoatendimento) “não atingiram o desempenho esperado”, o que teria implicado o rompimento contratual.

A Imply afirmou, em nota, que o contrato não foi rescindido e que os totens não serão retirados. “Apenas foi comunicada sobre a instauração de um processo administrativo e está providenciando os esclarecimentos”.

Segundo a empresa, o contrato prevê o fornecimento de 153 máquinas, das quais três são reservas.

“A operação e manutenção corretiva e preventiva dos equipamentos são de responsabilidade exclusiva do Metrô”, diz o texto.

Tops da Gazeta