últimas notícias

Pichadores são condenados por morte de dentista em 2016

Um homem foi espancado e acabou tendo um braço amputado; seu filho, o dentista, então com 39 anos, saiu em defesa do pai e acabou morto com uma pedrada Por Estadão Conteúdo

Dois pichadores foram condenados na noite da última sexta-feira (22), por participar da morte de um dentista e a tentativa de homicídio de seu pai em 2016, em São Paulo. A.G. de S. e A.N. dos S., julgado à revelia por estar foragido, vão responder pelos crimes de homicídio consumado e tentativa de homicídio triplamente qualificados, além de pichação e associação criminosa.

A.G. de S. foi condenado a 26 anos de reclusão no regime inicial fechado, mais três meses de detenção no regime semiaberto. Já A.N. dos S. cumprirá 43 anos, um mês e 20 dias de reclusão no regime inicial fechado, mais quatro meses e dois dias de detenção no regime semiaberto.

Tanto o homicídio quanto a tentativa de homicídio foram triplamente qualificados por motivo fútil, meio cruel e utilização de recurso que dificultou a defesa das vítimas.

A decisão foi tomada pelo 5º Tribunal do Júri do Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste. Os réus não poderão recorrer da sentença em liberdade.

O CRIME

Na madrugada do dia 6 de agosto de 2016, o aposentado M. da S. se envolveu numa briga com um grupo de pessoas que pichavam o muro de sua casa, do qual A.G. de S. e A.N. dos S. faziam parte. Ele foi espancado e acabou tendo um braço amputado. Seu filho, o dentista W. da S., então com 39 anos, saiu em defesa do pai e acabou morto com uma pedrada.

Tops da Gazeta