últimas notícias

Moradores reclamam de falta de zeladoria na zona sul

Quem vive próximo à avenida Washington Luís reclama de falta de ação da Prefeitura de São Paulo Por Bruno Hoffmann De São Paulo

Moradores de bairros da zona sul de São Paulo estão enfrentando problema com falta de zeladoria, o que causa o crescimento excessivo de mato em praças e ruas, tornando os lugares mais feios e inseguros. Além disso, há também reclamações em relação a árvores com risco de queda.

Na esquina da rua Tamoios com a avenida Washington Luís, no Jardim Aeroporto, um canteiro está com mato bem alto. O espaço fica abaixo das obras do monotrilho da linha 17-Ouro. Pessoas que passam na região reclamam da situação. É o caso do taxista José Carlos, que atua em um ponto próximo ao local.

“As praças de São Paulo não estão bem cuidadas, e também há muitos buracos pelas ruas. A lateral das obras do monotrilho está cheia de mato. Antigamente, ela andava mais limpa”. O taxista acredita que da gestão de Fernando Haddad (PT) para cá, prefeito que tomou posse em janeiro de 2013, a situação piorou bastante na cidade. Desde então, a prefeitura também foi gerida por João Doria (PSDB) e pelo atual prefeito, Bruno Covas (PSDB).

Um pouco mais à frente, no Jardim Bélgica, também próximo da avenida Washington Luís, a situação de uma praça que fica na esquina das ruas Abílio Marques com a José Pedro da Silveira chama a atenção dos moradores e de quem passa pela região.

A dona de casa Regina Romano diz que há cinco meses ela e outros vizinhos ligam para o número 156 (o portal de atendimento da Prefeitura de São Paulo) para pedir à gestão municipal limpar o local. Sem sucesso.

“Pode ver lá, a praça já está com vegetação até a cintura. A praça é frequentada por jovens e também por idosos. Não há mais nem condições de sentar nos bancos da praça. E é perigoso porque ladrões podem ficar escondidos atrás dos arbustos que têm ali”, se lamenta Regina.

Além do problema da praça, outro temor da dona de casa é em relação a uma árvore na esquina das ruas Joaquim Anselmo de Oliveira e Abílio Marques, a uma quadra da praça. A raiz da árvore causou rachaduras grandes na calçada, e os galhos passaram a envolver uma guarita de segurança particular. O tronco também está torto e, visivelmente, com risco de cair sobre uma casa de esquina.

“Essa árvore está horrível, caindo. Há três anos fiz um pedido para a prefeitura, tenho o papel em casa até hoje comigo. Outros vizinhos também ligaram. A Eletropaulo vem, faz algo, e diz que a outra parte é com a prefeitura. A prefeitura volta a passar a responsabilidade para a Eletropaulo, e fica esse jogo”, diz.

Ela explica que a prefeitura também afirmou que não pode tirar a árvore. “Mas nós pedimos a substituição da árvore, não para tirá-la totalmente”.

A advogada Edna Teresa Martini, que vive em uma casa ao lado da praça, também reclama de uma árvore que está em “risco iminente” de cair.

“Nós pedimos para remover essa árvore porque está colocando em risco a minha casa. Ela está vergada com esses ventos que têm dado e pode cair e arrebentar a minha casa ou machucar pessoas que estejam passando pela rua”, diz a mulher de 74 anos.

Em relação à falta de zeladoria, ela também reclama da demora para a prefeitura de São Paulo agir no local. “A prefeitura vinha com uma certa frequência antigamente, estava sempre limpinha, mas faz um tempo que não vem mais. A limpeza teria que ser permanente”.

Ela reforça à reportagem da Gazeta, porém, que seu grande temor é a árvore. “Ela pode cair a qualquer momento aqui na rua Abílio Marques. Já foi reiterado sobre o perigo para a prefeitura várias vezes, e nada. Isso pode causar uma tragédia”.

Um outro morador, que não quis se identificar, diz que há outras praças no Jardim Bélgica que também estão muito descuidadas. “O bairro já esteve bem melhor”, afirma.

A Prefeitura de São Paulo anunciou esta semana que triplicou o orçamento para intervenções de zeladoria na Capital em 2019.

Segundo o secretário de Governo, Mauro Ricardo, em 2019 os recursos para zeladoria foram triplicados de R$ 500 milhões para R$ 1,5 bilhão.

Em nota, a Subprefeitura Santo Amaro informa que “a poda as árvores citadas será feita com o acompanhamento dos técnicos da distribuidora de energia, visto que os galhos estão em contato com a rede elétrica. Foi enviado novo ofício à concessionária para a realização do serviço. Em relação ao corte de mato, o serviço entrará na programação de zeladoria”.



mato alto no jardim bélgica Thiago Neme GSP 1Mato alto tomou conta no encontro da rua Tamoios com a avenida Washington Luís
(Foto: Thiago Neme/Gazeta de S.Paulo)



mato alto no jardim bélgica Thiago Neme GSP 2Vizinha a uma praça no Jardim Bélgica, dona Edna Martini, teme que uma árvore possa cair sobre a sua casa: “Já foi reiterado sobre o perigo para a prefeitura várias vezes, e nada; isso pode causar uma tragédia”.
(Foto: Thiago Neme/Gazeta de S.Paulo)

Tops da Gazeta