últimas notícias

Número de reclamações por buracos nas vias triplicam no primeiro trimestre em SP

Segundo dados da Central SP156, foram feitas 960 reclamações no primeiro trimestre do ano contra 305 no mesmo período de 2018 Por Folhapress De São Paulo

A gestão Bruno Covas (PSDB) responsabilizou nesta quinta-feira (16) as concessionárias de serviços públicos, como Sabesp e Comgas, pelas reclamações de reparo de tapa-buraco malfeito na cidade. O prefeito também admitiu que o serviço de tapa-buraco é "paliativo" e que o ideal seria o recapeamento total das vias.

"Nós checamos todos os buracos de quase 4.300 reclamações sobre o tapa-buraco malfeito e 96% eram de concessionárias", afirmou o secretário Municipal de Subprefeituras, Alexandre Madonezi.

Segundo dados da Central SP156, o número de reclamações de serviço de tapa-buraco triplicou no primeiro trimestre, comparado a igual período de 2018 (de 305 para 960).

A Subprefeitura da Sé, no centro, é a campeã, com 122 reclamações. E a avenida Professor Luiz Ignácio Anhaia Mello, na zona leste, é que mais recebeu queixas: 30.

Como forma de melhorar os reparos feitos pelas concessionárias, o prefeito assinou nesta quinta um decreto para cobrar qualidade dos serviços.

Pelo texto, as empresas deverão avisar a prefeitura antes de abrir e depois de fechar um buraco no asfalto ou na calçada. Com isso, a administração poderá fiscalizar o serviço e aplicar multa quando não for feito de acordo com as especificações técnicas previstas. A multa é de R$ 2.000 por m².

Outra obrigatoriedade é enviar relatório de testes em laboratório sobre a qualidade do material usado no serviço. O decreto também determina que o tamanho do reparo será proporcional ao buraco aberto pela concessionária, seja no asfalto ou na calçada.

"Estamos exigindo das concessionárias o mesmo esforço que a prefeitura está fazendo", disse Covas.

Comgás e Sabesp disseram que já fazem os reparos de tapa-buraco de acordo com as especificações técnicas vigentes e previstas em contrato. Também afirmaram que aguardam a publicação do decreto para tomar conhecimento das novas regras.

Tops da Gazeta