últimas notícias

Polícia de SP prende suspeito de ter participado do roubo de 720 quilos de ouro

Ele indicou aos outros integrantes da quadrilha o local exato onde estavam os malotes de ouro, cujo valor estimado supera R$ 120 milhões, e chegou a transportar algumas peças que estavam soltas em um contêiner. Por Folhapress

A Polícia Civil de São Paulo prendeu na noite deste sábado (27) o aeroviário Peterson Patrício, 33, sob a suspeita de ter participado do roubo de 720 quilos do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na última quinta (25).

Patrício é funcionário do terminal de cargas do aeroporto e alegou, horas depois do crime, ter sido obrigado pelos criminosos a ajudar no roubo quando mantido refém junto da família. Agora preso, ele confessou participação na ação criminosa.

O funcionário mora na travessa Nem Ouro Nem Prata, no Jardim da Conquista, zona leste da capital.

Outro funcionário do aeroporto é suspeito de participação no crime. A polícia também solicitou a prisão dessa pessoa, que não teve o nome divulgação, e aguarda decisão da Justiça para as próximas horas.

Na cúpula da Polícia Civil ele está sendo considerado preso. O suspeito está detido no Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais).

Nas imagens referentes ao momento do roubo, captadas pelo sistema de segurança do aeroporto, o aeroviário é o primeiro a aparecer saindo de uma caminhonete clonada da Polícia Federal.

Ele indicou aos outros integrantes da quadrilha o local exato onde estavam os malotes de ouro, cujo valor estimado supera R$ 120 milhões, e chegou a transportar algumas peças que estavam soltas em um contêiner.

Segundo a Folha de S.Paulo apurou, as suspeitas começaram a recair sobre o funcionário após uma série de contradições em sua versão sobre o crime. Os detalhes da prisão devem ser fornecidos pela Polícia Civil ao longo deste domingo.

No dia seguinte ao roubo, o delegado responsável pela investigação, João Carlos Miguel Hueb, descreveu Patrício como um funcionário que trabalha há sete anos no aeroporto de Guarulhos e nunca havia apresentado nenhum tipo de problema.

Até agora nenhum grama do ouro foi recuperado. Os investigadores estimam que a quadrilha tenha gasto cerca de R$ 1 milhão para levar a cabo o roubo.

Tops da Gazeta