Publicidade

X
Histórico

O Transporte da Cana de Açúcar no Século Dezenove em Porto Feliz

Antigos moradores contavam que essa linha férrea existiu desde o Núcleo Colonial Rodrigo Silva até o Engenho Central

Publicidade

Vagão sobre trilhos, utilizado no transporte de cana de açúcar e puxado por uma parelha de burro, em Porto Feliz / Acervo do Professor Roberto Prestes de Souza

A foto já castigada pela ação implacável do tempo é da segunda metade do século dezenove e mostra um vagão sobre trilhos, utilizado no transporte de cana de açúcar e puxado por uma parelha de burros. Os antigos moradores de Porto Feliz contavam que essa linha férrea existiu desde o Núcleo Colonial Rodrigo Silva até o Engenho Central, passando pela atual Rua Newton Prado, que naquela época tinha a denominação de Rua Sorocaba.

A cana de açúcar transportada provinha da Colônia Rodrigo Silva, reduto das famílias belgas que vieram residir nesta cidade para trabalhar na lavoura, em substituição à mão de obra escrava. As primeiras famílias belgas chegaram a Porto Feliz entre maio de 1888 e maio de 1889 e tiveram as despesas com o transporte custeadas pelo governo brasileiro.

Todavia e muito antes desse tempo, no período compreendido entre 1790 e 1830, Porto Feliz já registrava mais de uma centena de pequenos Engenhos produtores de açúcar bem como de aguardente e, juntamente com as cidades de Itu e Campinas, controlava a produção açucareira da então Capitania de São Paulo. A Colônia Rodrigo Silva foi consolidada em uma área de terras com cerca de 1601 hectares, adquirida pelo Governo do Brasil, e recebeu essa denominação para homenagear o ilustre homem público Rodrigo Augusto da Silva, nascido em Santo Amaro no dia 7 de dezembro de 1833 e falecido no Rio de Janeiro em 17 de outubro de 1889.

Foi Deputado Provincial, Deputado Geral, Senador do Império Brasileiro, Ministro da Agricultura, Ministro dos Transportes e Ministro das Relações Exteriores do Brasil. Importante ressaltar, por outro lado, que o Engenho Central de Porto Feliz, propriamente dito, foi inaugurado no dia 28 de outubro de 1878 e foi o primeiro do Estado de São Paulo e o terceiro do Brasil. Sua construção revolucionou a produção de açúcar em toda a região e contribuiu para a consolidação de um importante ciclo na economia do nosso município

O Engenho Central de Porto Feliz funcionou por mais de 100 (cem) anos como uma unidade de produção da Companhia União São Paulo e, depois de passar por diversas transformações foi, infelizmente, desativado em 1991. A linha férrea mostrada na foto vinha desde a Colônia Rodrigo Silva, cortando as vias urbanas principais da cidade, inclusive o atual Largo da Penha, e terminava no Engenho Central. Ao que se sabe a referida estrada de ferro perdurou até o ano de 1905, quando passou a gerar problemas em relação ao trânsito de veículos, razão pela qual foi definitivamente desativada. Foi um dia na história passada / Desta gente que alegre se diz / Bandeirantes que daqui partiram / Encheram de glórias o Porto Feliz! (Foto: Acervo do Professor Roberto Prestes de Souza).

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

OPORTUNIDADE

Cate-SP tem 700 vagas de emprego com inscrições até quarta-feira

As candidaturas podem ser realizadas pela internet ou presencialmente nas unidades do Cate da Capital

SEGURANÇA PÚBLICA

Taxa de homicídios no estado de SP é a mais baixa da história

Pela primeira vez, Segurança Pública do Estado registra índice menor que 6 ocorrências por 100 mil habitantes nos últimos 12 meses

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software