Publicidade

X

ARTIGO

Sem alimento não há enfrentamento

A visão da política brasileira por Nilto Tatto

Luiz

Publicado em 08/06/2020 às 13:50

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

- / Gazeta de S.Paulo

Desde que as políticas de abastecimento e segurança alimentar foram abandonadas pelo governo Federal, o estímulo à produção e os estoques públicos de alimentos diminuíram significativamente, inclusive de insumos que compõe a cesta básica, tão importantes para enfrentar a pandemia. Em 2019, o governo Bolsonaro enterrou o Plano Safra da Agricultura Familiar, enquanto o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) diminuiu tanto que quase desapareceu.

Este desmonte é extremamente danoso aos agricultores familiares e camponeses, mas também às creches, escolas e asilos, que recebiam os alimentos através do PAA e à população como um todo, que deixa de ter acesso à produtos saudáveis, livres de agrotóxicos e com preços acessíveis. Abandonar políticas voltadas aos pequenos produtores é um crime contra a população mais pobre, especialmente durante uma pandemia, já que é das mãos destas mulheres e homens que vêm 70% dos alimentos que chegam à nossa mesa.

O cenário contrasta com os benefícios que o Estado concede à cadeia dos agrotóxicos e aos grandes latifundiários, produtores de commodities para a exportação, como milho, soja e cana, que não são exatamente alimentos. Em curtas palavras, os governos abandonaram os pequenos produtores mas patrocinam uma agricultura que não gera emprego; concentra renda nas mãos de poucos ruralistas; prejudica o solo, as águas e o ar e ainda contamina nossos alimentos. Com a pandemia, priorizar políticas tão equivocadas pode significar milhares de vidas.

Diante deste cenário alarmante é que movimentos sociais, sindicais e entidades elaboraram a Plataforma Emergencial do Campo, das Florestas e das Águas em Defesa da Vida. Trata-se de um conjunto de ferramentas para atravessar a crise e transformar o Brasil, pautadas na função social da terra em todas suas dimensões; na reforma agraria popular e na transição agroecológica para a produção de alimentos saudáveis, livres de agrotóxicos e transgênicos, respeitando características culturais, territoriais e a preservação da sociobiodiversidade. A hora é agora.

*Nilto Tatto é deputado federal pelo PT por São Paulo

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

SEGURANÇA PÚBLICA

Sindicato protesta contra Derrite por exclusão da Polícia Civil de operação em SP

Presidente do sindicato dos delegados disse que decisão de Derrite de dar mais protagonismo à PM em detrimento à Polícia Civil pode 'fragilizar a estrutura policial'

Programa Jovem Aprendiz

Em busca do primeiro emprego? Empresa Raízen está com 240 vagas abertas

Interessados em se candidatar devem ter entre 16 e 21 anos; não é necessário ter experiência prévia

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter