últimas notícias
Em destaque
Por Pedro Nastri - Colaborador
[email protected]
Pedro Nastri é colunista da Gazeta e âncora na Rádio Trianon 740 AM
Pedro Nastri é colunista da Gazeta e âncora na Rádio Trianon 740 AM

Doria será investigado

O jornalista e radialista Pedro Nastri comenta sobre as últimas notícias de São Paulo

Doria será investigado. A deputada estadual de São Paulo Isa Penna (PSOL) enviou uma representação ao Ministério Público do Estado (MP-SP) pedindo a apuração da gestão do governador João Doria (PSDB) na condução da pandemia da covid-19. No documento, a parlamentar questiona polêmicas recentes envolvendo a liderança tucana: desde a viagem à Miami, nos Estados Unidos, no Natal após o endurecimento das restrições para frear a disseminação do novo coronavírus até a regressão de todo o estado de São Paulo para a fase amarela do plano estadual de contingência um dia após o prefeito Bruno Covas (PSDB) ter sido reeleito na capital paulista. Para a deputada estadual do PSOL, é preciso investigar se o governador cometeu improbidade administrativa e atentou contra a saúde pública. Isso porque, entre outros fatores, na avaliação da parlamentar, o governador João Doria descumpriu normas estabelecidas por seu próprio governo ao viajar aos Estados Unidos.

Importunação sexual. Os membros do Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) decidiram na última terça-feira (29) que o caso de importunação sexual contra o deputado estadual Fernando Cury (Solidariedade), flagrado passando a mão no seio da colega Isa Penna (PSOL) no plenário da Casa em 17 de dezembro, só será analisado pelo colegiado em fevereiro, após o fim do recesso parlamentar dos deputados paulistas. A decisão aconteceu após um parecer da Procuradoria da Assembleia Legislativa afirmar que o conselho só pode se reunir durante as férias parlamentares após aprovação da convocação extraordinária em plenário, pela maioria dos 94 deputados da Casa.

Salário defasado. O prefeito de São Paulo Bruno Covas (PSDB) afirmou que o aumento de 46% dos salários do prefeito, do vice-prefeito e dos secretários, aprovado na Câmara Municipal de São Paulo, é justificado por uma defasagem no teto do funcionalismo público na cidade. No último dia 24 de dezembro, véspera de Natal, Covas sancionou a lei aprovada pela Câmara Municipal que autoriza o aumento a partir de 2022. Com a medida, o salário do prefeito - e o teto do funcionalismo - passa de R$ 24 mil para R$ 35,4 mil. Segundo o prefeito, o aumento do próprio salário só será realizado "em 2022, caso a pandemia já tenha passado". Bruno Covas também afirmou que a medida busca evitar que servidores deixem os cargos municipais para trabalharem na iniciativa privada ou em outras esferas de governo.

Comentários

Tops da Gazeta