últimas notícias

Classificada para final, seleção peruana destaca melhora desde goleada para o Brasil

A goleada sofrida para Brasil serviu para unir ainda mais o time peruano, afirmam os jogadores. Ao ouvir críticas da imprensa, os atletas decidiram fortalecer os elos internos Por Folhapress

Definido como adversário do Brasil na final da Copa América ao bater o Chile na quarta-feira (3), o Peru acredita ter melhorado bastante desde o encontro com os brasileiros pela fase de grupos, quando perdeu por 5 a 0. O reencontro será no domingo (7), no Maracanã.

A goleada sofrida para Brasil serviu para unir ainda mais o time peruano, afirmam os jogadores. Ao ouvir críticas de boa parte da imprensa local, os atletas decidiram silenciar por algum tempo e fortalecer os elos internos.

"Vocês (jornalistas) sempre encontram alguma coisa ruim para falar nas partidas. Nós temos é que aproveitar a classificação e seguir pensando apenas dentro de campo", disse o meia-atacante Flores.

"Todos ficamos muito tristes depois da derrota para o Brasil. Mas aprendemos, ganhamos forças e agora estamos prontos para fazer o melhor", completou o lateral-esquerdo Trauco.

A fortaleza mental é que pesou na classificação contra o Uruguai, nos pênaltis, e no começo muito intenso de jogo contra o Chile.

A vitória peruana contra os chilenos foi construída no primeiro tempo. Ainda assim, a equipe seguiu mostrando maturidade para trocar passes enquanto os torcedores gritavam "olé" e fechar o placar com um golaço de Paolo Guerrero.

Após a partida, muitos personagens do jogo se negaram a dar entrevistas. Casos do goleiro Gallese, que inclusive pegou um pênalti, do lateral Advíncula, e dos meias Yotún e Cueva.

Taticamente, Ricardo Gareca não mudou nada em sua equipe. Segue atuando com quatro defensores em linha, quatro meio-campistas logo à frente, um jogador mais solto, e Paolo Guerrero no comando de ataque. Mas a lesão de Farfán, que jogou pela última vez contra o Brasil, mudou a característica do time.

Cueva passou a ser o homem mais próximo de Guerrero, posto antes de Farfán. Flores e Carrillo agora atuam pelos lados.

Com isso, a equipe ganhou intensidade, velocidade na troca de passes e ultrapassagem, dando a Guerrero, que trabalha segurando a bola e esperando a aproximação de colegas, mais alternativas de sequência de jogada.

Ainda que tenha essência ofensiva, o Peru não tem vergonha nenhuma de se retrancar. Em alguns momentos do confronto com o Chile, chegou a montar uma linha de cinco defensores, com mais quatro à frente e apenas Guerrero adiantado. Dependendo do que a partida apresentar, poderá fazer isso contra o Brasil.

"Estou feliz pela classificação, agora será um jogo difícil. Vamos descansar e analisar bem o jogo de domingo. É um grande adversário, será muito difícil, mas vamos lutar", disse Guerrero.

Tops da Gazeta