últimas notícias
Novas viaturas da Guarda CIvil Metropolitana de São Paulo são apresentadas em outubro de 2020
Novas viaturas da Guarda CIvil Metropolitana de São Paulo são apresentadas em outubro de 2020
Foto: Charles Sholl/Brazil Photo Press/Folhapress)

Esquecidos em 1ª lista, GCMs são incluídos em grupo de vacinação

Estavam inclusos nos grupos prioritários das forças de segurança apenas policiais federais, militares e civis, bombeiros e membros das Forças Armadas

Em novo informe técnico, lançado na última sexta-feira (22), o Ministério da Saúde incluiu os guardas civis municipais entre os grupos prioritário do Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19. Antes, na seção “Forças de Segurança e Salvamento” estavam inclusos apenas policiais federais, militares e civis, bombeiros militares e civis e membros das Forças Armadas, sem os guardas municipais.

A revisão ocorreu após pressão da Fenaguardas (Federação Nacional de Sindicatos de Guardas Municipais do Brasil) e da Frente Parlamentar em Defesa das Guardas Municipais, com colaboração da Confederação das Carreiras e Atividades Típicas do Estado.

Leia mais:

Bases móveis da GCM de Taboão da Serra serão reformadas

O deputado federal Lincoln Portela (PL-MG), presidente da Frente Parlamentar em Defesa das Guardas Municipais, se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última quarta-feira (20), quando fez o pedido para que a categoria fosse incluída entre as outras carreiras da segurança pública para a vacinação. A solicitação foi atendida dois dias depois.

“É uma grande vitória das guardas municipais”, celebrou o parlamentar. “As demais forças de segurança pública também receberão a imunização tão logo esteja disponível”, completou Portela.

O site da Fenaguardas também celebrou a inclusão da categoria no plano de imunização do Ministério da Saúde, “sendo corrigida a injustiça para os guardas municipais”.

Em dezembro do ano passado, o Ministério da Saúde incluiu entre as prioridades da campanha de vacinação:

  • trabalhadores da área de saúde;
  • idosos (acima de 60 anos);
  • indígenas;
  • pessoas com comorbidades;
  • professores (do nível básico ao superior);
  • profissionais de forças de segurança e salvamento;
  • funcionários do sistema prisional
  • comunidades tradicionais ribeirinhas;
  • quilombolas;
  • trabalhadores do transporte coletivo;
  • pessoas em situação de rua;
  • população privada de liberdade.

Comentários

Tops da Gazeta