últimas notícias
Rogério Lins e a primeira-dama, Aline Lins, receberam alta médica na manhã desta quarta-feira
Rogério Lins e a primeira-dama, Aline Lins, receberam alta médica na manhã desta quarta-feira
Foto: Nair Bueno/DL

Prefeitura gastará R$ 10 mil para reconstruir muretas

APÓS RESSACA. Prefeitura de Santos afirmou que a reconstrução dos trechos que caíram começa nesta semana

A ressaca que atingiu a Baixada Santista no último final de semana trouxe prejuízo para cidades como Santos, Praia Grande e Mongaguá. Um dos pontos mais atingidos foi novamente a Ponta da Praia, que perdeu 25 metros de mureta com a força das ondas.

De acordo com a prefeitura de Santos, a reconstrução dos trechos que caíram começa ainda nesta semana, com mão de obra e materiais próprios, em valor estimado de R$ 10 mil. Até o próximo fim da semana as muretas já devem estar no lugar. Não foram identificados outros danos no bairro.

Há anos, a cidade tem investido em obras para tentar amenizar o impacto das ressacas e da alta da maré. Um desses investimentos foi a implantação dos bags - sacos de areia submersos instalados há pouco mais de um ano, na Ponta da Praia, com objetivo de conter a força das ondas. O custo dessa obra foi de R$ 2,9 milhões, repassados ao município pelo Ministério Público Estadual, como resultado de uma multa ambiental aplicada por um acidente no Porto de Santos, não detalhado pela
assessoria.

Porém, após os estragos desta ressaca, munícipes reclamaram nas redes sociais e levantaram dúvidas sobre a efetividade do projeto. No entanto, a prefeitura afirmou que Santos registrou um pico de maré de 2,48 metros, medição nunca antes vista na cidade, e que a combinação das ondas e ventos poderiam ter causado estragos ainda maiores, não fossem os sacos de areia submersos.

Em Praia Grande, a alta da maré na noite de sábado alagou pontos na entrada e saída da cidade. Já em Mongaguá, o mar invadiu a avenida da praia, na altura do Jardim São Paulo.
(Vanessa Pimentel/DL)

Tops da Gazeta