últimas notícias
Reunião tomou todo o começo da tarde desta sexta-feira
Reunião tomou todo o começo da tarde desta sexta-feira
Foto: Reprodução/Facebook

Após negociações, Baixada Santista é reclassificada para a zona laranja

Reunião entre prefeitos e Governo de São Paulo aconteceu durante a tarde desta sexta-feira

O Governo do Estado de São Paulo e os prefeitos das nove cidades da Baixada Santista, em reunião do Condesb, representado pelos prefeitos de Santos, Itanhaém e Peruíbe, chegaram ao entendimento, após a apresentação de leitos na região e a inclusão na aferição do Estado. Com essas informações, a Baixada Santista estaria hoje classificada na Fase 2 Laranja.

A consolidação será feita, com todos os dados e critérios que compõem o Plano SP, na próxima terça-feira (2) para todo o Estado e será divulgada na quarta-feira (3), às 12h30. De acordo com integrantes do Governo do Estado, apesar de já estar apalavrada, a medida só passará a valer em caráter oficial a partir de quarta-feira, quando haverá a divulgação oficial.

Como o "Diário do Litoral" havia antecipado na edição impressa desta sexta-feira (29), o prefeito de Santos e presidente do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb), Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), decidiu se reunir no Palácio dos Bandeirantes com o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marcos Vinholi, visando a retirada da Baixada Santista da Zona Vermelha e inclusão na Zona Laranja no plano estadual de retomada da economia em meio a pandemia do novo coronavírus.

A decisão de posicionar os nove municípios no nível de isolamento social mais rígido possível revoltou todos os prefeitos da Baixada Santista, que esperavam ser posicionados na Zona Laranja, que flexibiliza a abertura de parte do comércio chamado de não essencial. Vale lembrar que a Capital São Paulo, que é epicentro do coronavírus no Brasil, não foi classificada na Zona Vermelha.

Além da Baixada Santista, Vale do Ribeira e Grande São Paulo também foram declaradas como regiões de alto grau de contaminação pelo novo coronavírus e baixos números de leitos de UTI disponíveis. Todos os prefeitos também se demonstraram surpresos e irritados com a classificação.

Comentários

Tops da Gazeta