últimas notícias

Diretora financeira de Jales é presa por desvio de R$ 5 milhões

Além de Érica Oliveira, agentes da Operação Farra no Tesouro prenderam o marido dela, a irmã, o cunhado e a secretária de Saúde Por Estadão Conteúdo

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira a Operação Farra no Tesouro, que investiga desvios de R$ 5 milhões dos cofres da Prefeitura Municipal de Jales, município paulista de 50 mil habitantes a 585 quilômetros de São Paulo.

Uma equipe de 50 policiais cumpriu cinco mandados de prisão temporária e 13 de busca e apreensão no município. A diretora financeira da prefeitura, Érica Cristina Carpi Oliveira, foi presa. Foram presos ainda Roberto Santos Oliveira, marido de Érica, a irmã dela, Simone Carpi Brandt, e o cunhado Marlon Brandt, além da secretária municipal de Saúde Maria Aparecida Moreira Martins. As prisões têm caráter temporário.

A administração municipal de Jales informou em nota que “o prefeito baixou portarias exonerando a secretária municipal de Saúde e a diretora financeira”.

As investigações foram abertas no início do ano. Érica, que foi contratada em 2005 sem concurso público, seria a mentora dos desvios. Ela e parte de sua família seriam os principais beneficiários dos recursos desviados neste rombo milionário.

Estimativas iniciais indicam que a diretora financeira do município pode ter desviado cifra superior a R$ 5 milhões durante seu período na Prefeitura de Jales.

Os 13 mandados de busca e apreensão – 12 deles em Jales – estavam sendo cumpridos nas residências dos presos, nas empresas do marido da tesoureira e também nas residências de secretários.

Setores da prefeitura, relacionados à tesouraria e contabilidade, também foram alvo das buscas. O objetivo é a localização dos documentos relativos aos pagamentos e transferências suspeitas realizadas pela tesoureira nos últimos 13 anos. A PF afirma que, em um período de seis meses, ela desviou aproximadamente R$ 1 milhão.

A tesoureira emitiu cheques, pagou boletos bancários das empresas do marido e até transferiu valores diretamente das contas da Prefeitura Municipal de Jales, principalmente da área da Saúde.

A PF localizou cheques emitidos a débito tendo como beneficiários butiques de grife, lojas de joias, salões de beleza, lojas de decoração, salões de festas, bufês, arquitetos e clínicas estéticas.

Nos últimos dias, a PF identificou transferências bancárias do ano de 2012, beneficiando a conta jurídica do marido da tesoureira, em prejuízo de contas da merenda e do transporte escolar da cidade. “Tais informações levam a crer que os prejuízos milionários, causados aos cofres públicos do município, realmente ocorrem há vários anos e atingiram áreas sensíveis e carentes do orçamento municipal, como a saúde pública e educação”.

Os presos serão indiciados por vários crimes, dentre eles peculato, lavagem de dinheiro e associação criminosa. O material e os veículos dos acusados foram apreendidos.

A defesa de Érica Cristina Carpi Oliveira e de seus familiares não havia se posicionado até o fechamento desta edição.

Tops da Gazeta