últimas notícias

Convenções ratificam 12 candidatos para governar o estado de São Paulo

DC, PMN, PCO, PSDB, PSOL, PT, PSB, PDT, MDB, PRTB, NOVO e PSTU terão postulantes próprios ao Palácio dos Bandeirantes Da Reportagem De São Paulo

O período das convenções partidárias terminou no domingo, 5, com 12 candidatos definidos para a disputa pelo governo do estado de São Paulo. Os nomes terão agora de ser inscritos na Justiça Eleitoral até o próximo dia 15 de agosto.

Em convenção realizada no último sábado, o atual governador Márcio França (PSB) foi oficializado como candidato à reeleição e afirmou que combaterá a violência dando oportunidade de emprego e qualificando os jovens. Sua vice será a coronel da Polícia Militar Eliane Nikoluk.

No domingo, foi a vez de mais duas siglas indicarem seus candidatos. O PDT oficializou Marcelo Candido, ex-prefeito de Suzano, e o PCO escolheu Edson Dorta.

Outros cinco partidos realizaram convenções no fim de semana. O PTB, PMB, PRP e PSC declararam apoio a França. O PSL anunciou neutralidade.

Já haviam sido indicados pelos partidos para a disputa Adriano Costa e Silva (DC), Cláudio Fernando Aguiar (PMN), João Doria (PSDB), Lisete Arelaro (PSOL), Luiz Marinho (PT), Paulo Skaf (MDB), Rodrigo Tavares (PRTB), Rogério Chequer (NOVO) e Toninho Ferreira (PSTU).

O primeiro debate na TV será realizado na noite do dia 16 de agosto, pela Rede Bandeirantes. O programa terá cerca de duas horas de duração e sete blocos.

Chapa pura

O PDT havia fechado aliança com França, mas condicionou o apoio à indicação do vice ou de um candidato ao Senado, segundo o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi.

“Nossa precondição na convenção, está lá em ata, é que nós indicássemos o vice ou o senador”, disse Lupi, que acumula a presidência do diretório paulista. “Aí ontem ele (Márcio França) apresenta a chapa completa e nos excluiu. Ora, se a gente está excluído, vamos com o nosso caminho”.

A chapa pedetista inclui ainda Gleides Sodré, presidente da Associação Mulher Trabalhista (AMT), como vice e Antonio Neto, presidente do PDT na Capital e presidente licenciado da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), como candidato a uma vaga no Senado. Paula Santos, vereadora de Cabreúva, é a primeira suplente.

A mudança garante ao presidenciável do PDT, Ciro Gomes, um palanque no maior colégio eleitoral do País. Lupi confirmou que isso pesou para lançar a chapa: “É claro, para fazer palanque para ele no Estado. Se não ele não tem palanque”.

Sem o partido, França terá 13 legendas na coligação com o PSB: PTB, PPS, PR, PV, PROS, Patriota, Podemos, Solidariedade, PHS, PPL, PSC, PMB e PRP.

Tops da Gazeta