últimas notícias

Petrobras descarta impacto no abastecimento após incêndio na refinaria de Paulínia

De acordo com a companhia, fogo foi controlado e estoque de produção das demais refinarias garantirá combustíveis Da Reportagem De São Paulo

Uma explosão atingiu uma das caldeiras da Replan, maior refinaria de petróleo da Petrobras, localizada em Paulínia, no interior de São Paulo, na madrugada desta segunda-feira. Cerca de 10 viaturas do Corpo de Bombeiros foram enviadas ao local.

O incidente aconteceu por volta da 1h. A ação da brigada de incêndio da própria refinaria evitou que o fogo se espalhasse para outras áreas do complexo. De acordo com os bombeiros, por volta das 4h o fogo já havia sido confinado.

Em nota divulgada à imprensa às 13h, a Petrobras deu mais detalhes do acidente. “O incêndio atingiu parte de uma das unidades de craqueamento catalítico e de uma das unidades de destilação atmosférica, que fazem parte do processo de refino de petróleo, mas a extensão dos danos ainda passará por avaliação detalhada”, informa o texto.

A empresa acrescenta que “a produção foi preventivamente paralisada e que a companhia está avaliando o prazo para retorno das demais unidades não afetadas pelo incêndio”.

A nota da Petrobras confirma que o incêndio já foi controlado e descarta “impacto imediato no abastecimento”. A empresa afirma que conta com o estoque e a produção das demais refinarias para garantir a oferta de combustíveis aos seus clientes.

Por fim, a Petrobras ressalta que mantém o compromisso com a segurança de suas operações e instalações adotando padrões da indústria mundial de petróleo.

Incêndio

Não houve necessidade de esvaziar as empresas vizinhas ou as casas de moradores próximos, já que se tratava de uma área isolada. Segundo o 7º Grupamento do Corpo de Bombeiros, que atende às ocorrências na região, não houve registro de vítimas.

A explosão não provocou emissão de gases tóxicos para a atmosfera, segundo avaliação divulgada pelo Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo (Sindipetro-SP).

Segundo a entidade, a explosão ocorreu às 0h51 desta segunda-feira, seguida de incêndio nas unidades U-220A/U-683, de craqueamento e água ácida, na U-200, de destilação atmosférica, e na tubovia entre essas unidades.

A brigada de incêndio foi acionada para o combate às chamas. O funcionamento das duas unidades de destilação e duas unidades de craqueamento foi interrompido imediatamente.

“Foi decidida a parada geral preventiva das unidades de processo”, relatou o Sindipetro-SP, em nota. “Não houve emissão de gases tóxicos para a atmosfera. Não houve vítimas. Focos de fogo totalmente extintos. A origem da ocorrência não foi determinada até o momento”, completou o comunicado.

Tops da Gazeta