últimas notícias

Acervo

Presos suspeitos de agir em jogos de azar em Barretos

Ao menos 13 pessoas, suspeitas de agir com jogos de azar em Barretos, no Interior, foram presas em uma operação da Polícia Civil Da Reportagem De São Paulo

Ao menos 13 pessoas, suspeitas de agir com jogos de azar em Barretos, no interior paulista, foram presas durante uma operação da Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (15). Cerca de 200 máquinas caça-níquel foram apreendidas e três casas de bingo da cidade foram fechadas. Segundo a polícia, os bingos movimentavam R$ 120 mil por semana.

Um dos líderes do esquema foi preso em São Paulo. Ao todo, a Justiça expediu 19 mandados de prisão temporária e 26 de busca e apreensão.

De acordo com o chefe do Departamento de Polícia Judiciária do Interior (Deinter-3), os donos de estabelecimentos comerciais que aceitavam receber as máquinas com jogos de azar ficavam com 30% ou 40% do lucro obtido. O restante do lucro ficava com os líderes do grupo.

Os suspeitos presos devem responder por associação criminosa, lavagem de dinheiro e prática de jogos de azar. Além das caça-níqueis, a Polícia Civil apreendeu mesas, cadeiras, computadores e máquinas de cartões de crédito.

Tops da Gazeta

Presos suspeitos de agir em jogos de azar em BarretosPresos suspeitos de agir em jogos de azar em Barretos
últimas notícias

Acervo

Presos suspeitos de agir em jogos de azar em Barretos

Ao menos 13 pessoas, suspeitas de agir com jogos de azar em Barretos, no Interior, foram presas em uma operação da Polícia Civil Da Reportagem De São Paulo

Ao menos 13 pessoas, suspeitas de agir com jogos de azar em Barretos, no interior paulista, foram presas durante uma operação da Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (15). Cerca de 200 máquinas caça-níquel foram apreendidas e três casas de bingo da cidade foram fechadas. Segundo a polícia, os bingos movimentavam R$ 120 mil por semana.

Um dos líderes do esquema foi preso em São Paulo. Ao todo, a Justiça expediu 19 mandados de prisão temporária e 26 de busca e apreensão.

De acordo com o chefe do Departamento de Polícia Judiciária do Interior (Deinter-3), os donos de estabelecimentos comerciais que aceitavam receber as máquinas com jogos de azar ficavam com 30% ou 40% do lucro obtido. O restante do lucro ficava com os líderes do grupo.

Os suspeitos presos devem responder por associação criminosa, lavagem de dinheiro e prática de jogos de azar. Além das caça-níqueis, a Polícia Civil apreendeu mesas, cadeiras, computadores e máquinas de cartões de crédito.

Tops da Gazeta