últimas notícias

Acervo

Gestão Doria afrouxa regras para atrasos de funcionários na Fundação Casa

Até então, o funcionário que no decorrer de dois meses consecutivos superasse o limite de 120 minutos de atraso poderia sofrer advertências e até mesmo suspensão Por Folhapress De São Paulo

O governo João Doria (PSDB-SP) afrouxou a regra que coibia os atrasos dos funcionários na Fundação Casa, a antiga Febem, que abriga adolescentes infratores.

Até então, o funcionário que no decorrer de dois meses consecutivos superasse o limite de 120 minutos de atraso poderia sofrer advertências e até mesmo suspensão, além de desconto no salário.

No final de julho, o secretário da Justiça e Cidadania, Paulo Dimas Mascaretti, assinou portaria revogando a norma. O novo ato não estabeleceu nenhum limite.

A regra foi abolida no contexto da campanha por renegociação salarial da categoria. O sindicato que representa os funcionários da Fundação Casa argumentou que a portaria anterior não estava de acordo com a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), pois implicava em dupla punição - desconto salarial proporcional e abertura automática de processo administrativo que podia, em última instância, levar a uma demissão por justa causa.

Angela Santos, diretora do sindicato que representa os trabalhadores da Fundação Casa, diz que a categoria vinha pedindo o perdão dos processos administrativos dos últimos 12 meses. Segundo ela, intercorrências no percurso dos funcionários ao trabalho e também as dificuldades inerentes ao exercício da função na instituição explicam o "enorme número" de processos administrativos.

"O secretário disse que não poderia rever os processos do passado, mas que poderia rever as normativas, que é o que está fazendo", afirma Santos.

"Temos um número muito maior de afastamentos no comparativo com funcionários de outras áreas. Há um número grande de problemas de saúde. É um trabalho bastante estressante, o que implica em muitas licenças por questão de estresse pós-traumático", completa, acrescentando que imprevistos no transporte público também ajudam a explicar os atrasos de funcionários.

Desde pelo menos 2012, segundo verificou a reportagem da Folha de S.Paulo, a instituição, que hoje tem 11.359 servidores ativos, estabelecia sanções disciplinares para quem acumulasse atrasos. A reportagem pediu à Secretaria de Justiça da gestão Doria o número atual de processos administrativos referentes a atrasos e recebeu resposta de que o órgão não tem esses dados.

Até o final do ano passado, segundo apurou a reportagem, existiam 898 processos administrativos referentes a atrasos e faltas injustificadas.

Em processos disciplinares, a Fundação Casa afirmava que os atrasos "prejudicavam a ordem e disciplina interna" da instituição.

O secretário Dimas Mascaretti afirmou, em nota encaminhada à reportagem, que a Fundação Casa passa por um processo de reestruturação.

Entre as ações e projetos em implantação, diz, está a "gestão humanizada", programa que, segundo o secretário, tem por foco "a valorização, a capacitação e a motivação do quadro de servidores".

No texto, Dimas ressalva que os atrasos continuam sendo integralmente descontados dos salários. "A portaria editada tão somente afastou regra que vinculava estas ocorrências à abertura automática de procedimento administrativo para aplicação de sanção disciplinar", diz.

Segundo ele, a possibilidade de instauração de processo administrativo por atraso permanece. O gestor de cada unidade pode, mediante justificativa, "solicitar à Corregedoria a abertura de sindicância se entender pela caracterização de infração funcional".

O secretário diz que a mudança não representa prejuízos para a instituição e tem por escopo a otimização de nossos recursos humanos. "Como apontam estudos sobre boas práticas de gestão, a melhoria do clima organizacional reflete diretamente na eficiência do serviço prestado", afirma.

A mudança chama a atenção por acontecer no âmbito da gestão de João Doria, que tem utilizado o combate aos atrasos de agentes públicos como ferramenta para construir sua imagem de administrador rigoroso.

Importando mecanismos de controle que diz ter aprendido e aplicado na iniciativa privada, Doria prega a intolerância a atrasos desde que assumiu a Prefeitura de São Paulo, em 2017.

Em contraposição ao que aponta como letargia do setor público, o agora governador de São Paulo tem aplicado multas aos secretários que o acompanham. A ideia surgiu no segundo dia de mandato no município paulistano, quando a então secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Soninha Francine, chegou 40 minutos atrasada a um evento de limpeza urbana. Incomodado, Doria criou a punição pecuniária.

As multas continuam a ser aplicadas na administração estadual. Segundo levantamento da Fiquem Sabendo, agência de dados especializada na Lei de Acesso à Informação, até o começo de agosto o secretário estadual que mais pagou multas foi Alexandre Baldy, de Transportes Metropolitanos, que se atrasou para três reuniões em fevereiro. Ele teve que desembolsar R$ 1.400.

Também se atrasaram para encontros os secretários Rodrigo Garcia (Governo, além de ser vice-governador) e Rossieli Soares (Educação), além do presidente do Fundo Social Filipe Sabará.

Para a advogada Mônica Sapucaia Machado, doutora em Direito Político e Econômico e especialista em direito administrativo, os funcionários fazem uma demanda justa e é compreensível que sejam atendidos pelo governo do Estado. Ela pondera, no entanto, que alguma solução de gestão deve ser encontrada para evitar os atrasos.

"A reivindicação dos funcionários é válida, mas não é justificativa exclusiva e não encerra o debate. Como o número de atrasos é colocado como alto pelo sindicato, isso mostra que a política anterior não estava surtindo o efeito esperado e provavelmente está criando um grande volume de processos administrativos que viraram processos judiciais", diz Machado.

"Mas agora o governo tem que pensar em uma nova política de gestão. O ideal é que dialoguem agora com o sindicato e construam um modelo em conjunto para resolver o problema de forma que diminuam os atrasos sem gerar novos problemas parecidos."


*Por Rogério Gentile e Guilherme Seto, da Folhapress

Tops da Gazeta

Gestão Doria afrouxa regras para atrasos de funcionários na Fundação CasaGestão Doria afrouxa regras para atrasos de funcionários na Fundação Casa
últimas notícias

Acervo

Gestão Doria afrouxa regras para atrasos de funcionários na Fundação Casa

Até então, o funcionário que no decorrer de dois meses consecutivos superasse o limite de 120 minutos de atraso poderia sofrer advertências e até mesmo suspensão Por Folhapress De São Paulo

O governo João Doria (PSDB-SP) afrouxou a regra que coibia os atrasos dos funcionários na Fundação Casa, a antiga Febem, que abriga adolescentes infratores.

Até então, o funcionário que no decorrer de dois meses consecutivos superasse o limite de 120 minutos de atraso poderia sofrer advertências e até mesmo suspensão, além de desconto no salário.

No final de julho, o secretário da Justiça e Cidadania, Paulo Dimas Mascaretti, assinou portaria revogando a norma. O novo ato não estabeleceu nenhum limite.

A regra foi abolida no contexto da campanha por renegociação salarial da categoria. O sindicato que representa os funcionários da Fundação Casa argumentou que a portaria anterior não estava de acordo com a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), pois implicava em dupla punição - desconto salarial proporcional e abertura automática de processo administrativo que podia, em última instância, levar a uma demissão por justa causa.

Angela Santos, diretora do sindicato que representa os trabalhadores da Fundação Casa, diz que a categoria vinha pedindo o perdão dos processos administrativos dos últimos 12 meses. Segundo ela, intercorrências no percurso dos funcionários ao trabalho e também as dificuldades inerentes ao exercício da função na instituição explicam o "enorme número" de processos administrativos.

"O secretário disse que não poderia rever os processos do passado, mas que poderia rever as normativas, que é o que está fazendo", afirma Santos.

"Temos um número muito maior de afastamentos no comparativo com funcionários de outras áreas. Há um número grande de problemas de saúde. É um trabalho bastante estressante, o que implica em muitas licenças por questão de estresse pós-traumático", completa, acrescentando que imprevistos no transporte público também ajudam a explicar os atrasos de funcionários.

Desde pelo menos 2012, segundo verificou a reportagem da Folha de S.Paulo, a instituição, que hoje tem 11.359 servidores ativos, estabelecia sanções disciplinares para quem acumulasse atrasos. A reportagem pediu à Secretaria de Justiça da gestão Doria o número atual de processos administrativos referentes a atrasos e recebeu resposta de que o órgão não tem esses dados.

Até o final do ano passado, segundo apurou a reportagem, existiam 898 processos administrativos referentes a atrasos e faltas injustificadas.

Em processos disciplinares, a Fundação Casa afirmava que os atrasos "prejudicavam a ordem e disciplina interna" da instituição.

O secretário Dimas Mascaretti afirmou, em nota encaminhada à reportagem, que a Fundação Casa passa por um processo de reestruturação.

Entre as ações e projetos em implantação, diz, está a "gestão humanizada", programa que, segundo o secretário, tem por foco "a valorização, a capacitação e a motivação do quadro de servidores".

No texto, Dimas ressalva que os atrasos continuam sendo integralmente descontados dos salários. "A portaria editada tão somente afastou regra que vinculava estas ocorrências à abertura automática de procedimento administrativo para aplicação de sanção disciplinar", diz.

Segundo ele, a possibilidade de instauração de processo administrativo por atraso permanece. O gestor de cada unidade pode, mediante justificativa, "solicitar à Corregedoria a abertura de sindicância se entender pela caracterização de infração funcional".

O secretário diz que a mudança não representa prejuízos para a instituição e tem por escopo a otimização de nossos recursos humanos. "Como apontam estudos sobre boas práticas de gestão, a melhoria do clima organizacional reflete diretamente na eficiência do serviço prestado", afirma.

A mudança chama a atenção por acontecer no âmbito da gestão de João Doria, que tem utilizado o combate aos atrasos de agentes públicos como ferramenta para construir sua imagem de administrador rigoroso.

Importando mecanismos de controle que diz ter aprendido e aplicado na iniciativa privada, Doria prega a intolerância a atrasos desde que assumiu a Prefeitura de São Paulo, em 2017.

Em contraposição ao que aponta como letargia do setor público, o agora governador de São Paulo tem aplicado multas aos secretários que o acompanham. A ideia surgiu no segundo dia de mandato no município paulistano, quando a então secretária de Assistência e Desenvolvimento Social, Soninha Francine, chegou 40 minutos atrasada a um evento de limpeza urbana. Incomodado, Doria criou a punição pecuniária.

As multas continuam a ser aplicadas na administração estadual. Segundo levantamento da Fiquem Sabendo, agência de dados especializada na Lei de Acesso à Informação, até o começo de agosto o secretário estadual que mais pagou multas foi Alexandre Baldy, de Transportes Metropolitanos, que se atrasou para três reuniões em fevereiro. Ele teve que desembolsar R$ 1.400.

Também se atrasaram para encontros os secretários Rodrigo Garcia (Governo, além de ser vice-governador) e Rossieli Soares (Educação), além do presidente do Fundo Social Filipe Sabará.

Para a advogada Mônica Sapucaia Machado, doutora em Direito Político e Econômico e especialista em direito administrativo, os funcionários fazem uma demanda justa e é compreensível que sejam atendidos pelo governo do Estado. Ela pondera, no entanto, que alguma solução de gestão deve ser encontrada para evitar os atrasos.

"A reivindicação dos funcionários é válida, mas não é justificativa exclusiva e não encerra o debate. Como o número de atrasos é colocado como alto pelo sindicato, isso mostra que a política anterior não estava surtindo o efeito esperado e provavelmente está criando um grande volume de processos administrativos que viraram processos judiciais", diz Machado.

"Mas agora o governo tem que pensar em uma nova política de gestão. O ideal é que dialoguem agora com o sindicato e construam um modelo em conjunto para resolver o problema de forma que diminuam os atrasos sem gerar novos problemas parecidos."


*Por Rogério Gentile e Guilherme Seto, da Folhapress

Tops da Gazeta