últimas notícias

Acervo

CNJ fará inspeção no Tribunal de Justiça de SP em novembro

A verificação do funcionamento dos setores administrativos e judiciais acontecerá no final do mandato do presidente Manoel de Queiroz Pereira Calças, que se encerra em dezembro Por Folhapress De São Paulo

A Corregedoria Nacional de Justiça vai realizar inspeção no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) entre os dias 4 e 8 de novembro. A verificação do funcionamento dos setores administrativos e judiciais de segundo grau acontecerá no final do mandato do presidente Manoel de Queiroz Pereira Calças, que se encerra em dezembro.

O anúncio, formalizado em portaria da última segunda-feira (2), ocorre quando o tribunal tem questionado, em manifestações de seu presidente, iniciativas do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), mas trata-se de fiscalização normal, que não tem nada a ver com eventuais divergências.

Quando assumiu a Corregedoria Nacional de Justiça, órgão vinculado ao CNJ, em setembro de 2018, o ministro Humberto Martins anunciou a programação de inspeções durante a sua gestão (2018-2020).

"A agenda possibilitará que os tribunais, a serem inspecionados, se preparem adequadamente para prestar as informações necessárias e, até mesmo, adotem medidas tendentes a melhorar o serviço prestado, conferindo à publicação prévia um caráter 'preventivo e profilático'", afirmou Martins na ocasião.

A inspeção do CNJ também não está relacionada a questionamentos internos sobre medidas da atual administração -como, por exemplo, a impugnação da licitação do projeto executivo do novo prédio do tribunal.

O valor preliminar da licitação da obra - que ainda depende de aprovação - é de R$ 1,2 bilhão. A licitação do projeto executivo terá valor máximo de R$ 25,3 milhões.

Nesta quarta-feira (4), os membros do Órgão Especial tomaram conhecimento da decisão de Pereira Calças de suspender a abertura dos envelopes pelo prazo de trinta dias.

O Órgão Especial deverá se manifestar sobre a conveniência e oportunidade do certame. O pedido de impugnação apresentado pela desembargadora Maria Lúcia Pizzotti será distribuído ao colegiado nesta quinta-feira, no gabinete da vice-presidência.

O projeto é considerado "a menina dos olhos" de Pereira Calças, mas haveria resistências de desembargadores sobre a conveniência de aprovar, no final de gestão, uma operação desse porte a ser administrada pela próxima presidência.

O que mais teria incomodado o presidente no relacionamento com o CNJ foi a suspensão da contratação - sem licitação - da Microsoft para desenvolver nova plataforma digital no valor total de R$ 1,32 bilhão.

Mais recentemente, Pereira Calças fez duras críticas ao CNJ, insatisfeito com a liminar do conselheiro Aloysio Corrêa da Veiga, que suspendeu o auxílio financeiro para aquisição de livros e softwares para magistrados.

"Nós não conseguimos trabalhar porque o CNJ a cada hora nos barra, e eu não sei mais o que fazer com o CNJ", desabafou.

"Toda hora eles fazem alguma coisa, quebrando a autonomia do Tribunal de Justiça. Eles querem interferir em tudo. Todos os demais tribunais têm isso. O valor que foi aprovado por nós é ínfimo. Parece que o problema é o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo", disse.

Pereira Calças não fez comentários sobre a inspeção do CNJ, tendo determinado a divulgação do ato.


*Por Frederico Vasconcelos, da Folhapress

Tops da Gazeta

CNJ fará inspeção no Tribunal de Justiça de SP em novembroCNJ fará inspeção no Tribunal de Justiça de SP em novembro
últimas notícias

Acervo

CNJ fará inspeção no Tribunal de Justiça de SP em novembro

A verificação do funcionamento dos setores administrativos e judiciais acontecerá no final do mandato do presidente Manoel de Queiroz Pereira Calças, que se encerra em dezembro Por Folhapress De São Paulo

A Corregedoria Nacional de Justiça vai realizar inspeção no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) entre os dias 4 e 8 de novembro. A verificação do funcionamento dos setores administrativos e judiciais de segundo grau acontecerá no final do mandato do presidente Manoel de Queiroz Pereira Calças, que se encerra em dezembro.

O anúncio, formalizado em portaria da última segunda-feira (2), ocorre quando o tribunal tem questionado, em manifestações de seu presidente, iniciativas do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), mas trata-se de fiscalização normal, que não tem nada a ver com eventuais divergências.

Quando assumiu a Corregedoria Nacional de Justiça, órgão vinculado ao CNJ, em setembro de 2018, o ministro Humberto Martins anunciou a programação de inspeções durante a sua gestão (2018-2020).

"A agenda possibilitará que os tribunais, a serem inspecionados, se preparem adequadamente para prestar as informações necessárias e, até mesmo, adotem medidas tendentes a melhorar o serviço prestado, conferindo à publicação prévia um caráter 'preventivo e profilático'", afirmou Martins na ocasião.

A inspeção do CNJ também não está relacionada a questionamentos internos sobre medidas da atual administração -como, por exemplo, a impugnação da licitação do projeto executivo do novo prédio do tribunal.

O valor preliminar da licitação da obra - que ainda depende de aprovação - é de R$ 1,2 bilhão. A licitação do projeto executivo terá valor máximo de R$ 25,3 milhões.

Nesta quarta-feira (4), os membros do Órgão Especial tomaram conhecimento da decisão de Pereira Calças de suspender a abertura dos envelopes pelo prazo de trinta dias.

O Órgão Especial deverá se manifestar sobre a conveniência e oportunidade do certame. O pedido de impugnação apresentado pela desembargadora Maria Lúcia Pizzotti será distribuído ao colegiado nesta quinta-feira, no gabinete da vice-presidência.

O projeto é considerado "a menina dos olhos" de Pereira Calças, mas haveria resistências de desembargadores sobre a conveniência de aprovar, no final de gestão, uma operação desse porte a ser administrada pela próxima presidência.

O que mais teria incomodado o presidente no relacionamento com o CNJ foi a suspensão da contratação - sem licitação - da Microsoft para desenvolver nova plataforma digital no valor total de R$ 1,32 bilhão.

Mais recentemente, Pereira Calças fez duras críticas ao CNJ, insatisfeito com a liminar do conselheiro Aloysio Corrêa da Veiga, que suspendeu o auxílio financeiro para aquisição de livros e softwares para magistrados.

"Nós não conseguimos trabalhar porque o CNJ a cada hora nos barra, e eu não sei mais o que fazer com o CNJ", desabafou.

"Toda hora eles fazem alguma coisa, quebrando a autonomia do Tribunal de Justiça. Eles querem interferir em tudo. Todos os demais tribunais têm isso. O valor que foi aprovado por nós é ínfimo. Parece que o problema é o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo", disse.

Pereira Calças não fez comentários sobre a inspeção do CNJ, tendo determinado a divulgação do ato.


*Por Frederico Vasconcelos, da Folhapress

Tops da Gazeta