últimas notícias

Acervo

Elefanta Ramba chega ao Brasil para se aposentar em santuário

Ramba foi trazida no interior de uma caixa de quase 6 toneladas, com água, alimentação, temperatura controlada e câmeras internas de monitoramento Por Estadão Conteúdo

Depois de quase três décadas trabalhando como "artista" em circos, a elefanta asiática Ramba, de ao menos 53 anos, chegou ao Brasil nesta quarta-feira (16) para uma merecida aposentadoria. A passageira ilustre, com seus 3,6 mil quilos, desembarcou às 6h no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, interior de São Paulo, três horas depois de partir do aeroporto de Santiago, no Chile, a bordo de um Boeing 747-400.

Ramba foi trazida no interior de uma caixa de quase 6 toneladas, com água, alimentação, temperatura controlada e câmeras internas de monitoramento. A elefanta passou pelos trâmites da Receita Federal, foi inspecionada por técnicos do Ibama e recebeu uma guia de transporte expedida por funcionários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Às 9h, Ramba seguiu em comboio rodoviário para o Santuário de Elefantes do Brasil, uma reserva de 1,1 mil hectares, em Chapada dos Guimarães (MT).

A viagem internacional marca um novo capítulo na história da elefanta que nasceu selvagem e foi domesticada para ser atração circense. A maratona, iniciada em Rancágua, a 90 quilômetros de Santiago, deve terminar somente na noite de quinta- feira ou na manhã de sexta-feira (18) com a chegada de Ramba ao destino.

De acordo com o biólogo Daniel Moura, diretor do santuário, quem vai definir o tempo da viagem é a própria Ramba. "Seria bom que ela ficasse o menor tempo possível em viagem, mas como é um animal que vem de uma vida de sofrimento, vamos respeitar as vontades dela. Programamos de oito a dez paradas para o descanso, mas podem ser mais ou menos, dependendo de como ela estiver", disse. No percurso de 1.500 quilômetros, Ramba vai ter água à vontade e será alimentada com feno, frutas e legumes, além de suplementos. Se quiser, terá direito a caminhadas em fazendas ao longo do trajeto, que já estão de preparadas para essa eventualidade. Além do caminhão-guincho da empresa Porto Seguro, que cedeu o transporte, uma equipe de apoio incluindo uma veterinária e o presidente do santuário, Scott Blais, seguem com o comboio, escoltado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

A chegada de Ramba movimentou os bastidores do aeroporto de Viracopos, que, em 59 anos de história, já recebeu baleia, onça, canguru, avestruzes, boiadas inteiras, mas nunca tinha recebido um elefante. A operação de desembarque mobilizou cerca de 30 pessoas.

Após um voo de três horas, Ramba chegou um pouco agitada, segundo o presidente do santuário, Scott Blais, que estava com ela no avião.

"Ela sente que não está com os pés em terra firme e fica um pouco nervosa, mas logo se acalma", disse.

Tops da Gazeta