Publicidade

X
FLEXIBILIZAÇÃO

Cidade de SP deixa de exigir passaporte de vacina e flexibiliza ainda mais uso de máscaras

O texto assinado pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB) revoga três artigos de um decreto de agosto do ano passado

Publicidade

Taxis no aeroporto de Congonhas, em SP / Thiago Neme/Gazeta de S.Paulo

A Prefeitura de São Paulo acabou com a obrigatoriedade da exigência de comprovante de vacinação contra a Covid-19 em eventos realizados na capital paulista e em estabelecimentos. A mudança na regra faz parte de um decreto publicado no último sábado (14) no Diário Oficial da cidade.


O texto assinado pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB) e pelo secretário municipal da Saúde, Luiz Carlos Zamarco, revoga três artigos de um decreto de agosto do ano passado que instituiu o passaporte de vacina.


Em 1º de setembro do ano passado, eventos com mais de 500 pessoas passaram a ser obrigados a pedir comprovante de vacinação contra a Covid com pelo menos uma dose do imunizante.


No inicio de janeiro, com o avanço da variante ômicron do novo coronavírus, entretanto, a prefeitura ampliou a obrigatoriedade para todos os eventos e com a comprovação de duas doses –o anúncio foi feito durante o cancelamento do Carnaval de rua, que acabou sendo organizado sem autorização por blocos no mês passado.


A cidade do Rio de Janeiro já havia acabado com a exigência de passaporte de vacina no último 26 de abril.
Dados da Secretaria Municipal da Saúde mostram que cerca de 31,3 milhões de vacinas contra a Covid-19 foram aplicadas na cidade de São Paulo.


Segundo a pasta, 106,8% dos adultos estimados tomaram as duas doses do imunizante. E 76% receberam a vacina adicional –no caso das pessoas a partir de 60 anos, 53,3% delas estão imunizadas com a quarta dose.


Segundo boletim divulgado pela secretaria no domingo (15), a rede municipal tinha 77 pessoas internadas com Covid-19, sendo que 37 estavam em unidades de terapia intensiva.


Uma pesquisa encomendada em abril pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) revelou que 71% dos brasileiros são a favor de as empresas exigirem de seus funcionários o passaporte da vacina. Apenas 22% dos entrevistados se disseram contrários à medida.


MÁSCARA


O decreto publicado sábado também acaba com a obrigatoriedade do uso de máscaras em táxis e carros de aplicativos. O item de proteção continua obrigatório no transporte coletivo e em serviços de saúde, como postos e hospitais.


Para Ana Escobar, professora da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), é fato que as vacinas têm uma enorme proteção contra casos graves, mas não impede que uma pessoa transmita o vírus. "Assim, não faz sentido pedir comprovante de vacinação, mas se a prefeitura quiser diminuir a taxa de transmissão do vírus, é com o uso de máscara", diz.


Na última quinta-feira (12), a Prefeitura de Serra Negra publicou um decreto obrigando a volta do uso de máscaras em escolas por causa do aumento no número de casos de Covid-19.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde

Anvisa determina recolhimento do remédio 'Losartana', usado para tratar hipertensão

Produtos devem ser retirados das farmácias em até 120 dias

Brasil

No dia da prisão, mulher de Ribeiro disse que ele 'estava sabendo' de operação

Calandrini menciona ainda outra conversa grampeada, entre Milton Ribeiro e a filha, em que o ex-ministro diz ter recebido um alerta do presidente Jair Bolsonaro (PL)

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software