Publicidade

X
Estado

Praias de água doce

MUITA ÁGUA. Em Alter do Chão, no Pará, o rio Tapajós cria algumas das mais belas praias de água doce do mundo

Publicidade

Não tem como não se impressionar com a grandeza do rio Tapajós, que passa à direita de Alter do Chão. Ele é o responsável por criar as praias de água doce que foram eleitas as mais bonitas do mundo pelo jornal britânico The Guardian. Dá para ver os pés ao / AD'Produções

Praias de areia branca e água limpa e doce são o grande atrativo de Alter do Chão, distrito de Santarém, no Pará. O local entrou de vez na rota dos destinos turísticos do Brasil, ainda mais depois que o jornal britânico The Guardian elegeu a vila como um dos locais mais belos do mundo com praias de água doce - o local ficou conhecido como o "Caribe Amazônico", tamanha a beleza das praias.

A vila foi batizada em homenagem a uma cidade de mesmo nome, localizada em Portugal, da mesma forma que Santarém. Localizada a 37 km de Santarém e a quase 1.400 km de Belém do Pará, o clima de Alter do Chão é dividido em dois: verão e inverno. Mas, diferente das sensações que essas estações causam no Sudeste, no inverno é quando as chuvas volumosas da região amazônica enchem os rios; o verão é a época que a chuva dá uma trégua e reaparecem alguns pontos turísticos famosos.

Um deles é a Ilha do Amor, cuja faixa de areia cria uma praia que foi eleita a mais bonita do mundo pelo The Guardian. Outro ponto que merece uma visita especial é o Lago Verde, em cujas margens apresenta um trecho de floresta amazônica. A culinária paraense é outro ponto forte: os restaurantes de Alter servem pratos feitos com peixes da região, como o tucunaré e o tambaqui, além, claro, do tacacá, pato no tucupi e maniçoba.

Em setembro, acontece a Festa do Sairé, a principal de Santarém, que reúne tradições amazônicas e rituais religiosos. E, para quem puder esticar a estadia, uma boa pedida é conhecer a Floresta Nacional do Tapajós. O passeio é feito em barcos, que descem o rio e visitam praias e comunidades ribeirinhas. No caminho, dá para conhecer também uma reserva extrativista, fazer trilhas na mata e conhecer um pouco mais da vida dos habitantes da região.

Outro ponto, saindo de barco de Alter do Chão, é a Ponta do Cururu. A faixa de areia da praia varia de um a dois quilômetros - depende se é época de chuvas ou seca. Os turistas gostam de curtir a paisagem de dentro da água, ainda mais com o calor. É um dos locais mais visitados para ver o pôr-do-sol e admirar a beleza amazônica e a grandeza do rio. É a natureza na sua forma mais plena! (Vanessa Zampronho)

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Lei de diretrizes orçamentárias

Bolsonaro sanciona LDO de 2023 com vetos e mantem uso das emendas de relator

Verba, que permite que congressistas mais influentes possam abastecer seus redutos eleitorais, deve ficar em R$ 19,4 bilhões

Piso salarial

Hospitais estudam demissão após aumento do piso salarial para enfermeiros

Marcos Ottoni, diretor-jurídico da CNSaúde, afirma que a mudança pode prejudicar e até inviabilizar a prestação dos serviços de saúde

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software