últimas notícias

Taboão da Serra tem cobertura vacinal acima da meta nacional, diz secretária de Saúde

Segundo a secretária de Saúde, Dra. Raquel Zaicaner, Taboão da Serra ultrapassou a meta das sete principais vacinas Da Reportagem De São Paulo

No último fim de semana, o Ministério da Saúde alertou que no Brasil há 312 municípios com surto de poliomielite. O estado com maior número de casos é a Bahia. Há 28 anos o Brasil não registra casos da doença. Mas o risco é grande de a pólio, assim como outras doenças que estavam erradicadas retornarem, por causa de pais que se recusam em vacinarem os filhos. Em Taboão da Serra, a secretária de Saúde, Dra. Raquel Zaicaner, disse que a cobertura vacinal no município é boa, porém como algumas cidades estão abaixo da meta nacional, que é de 95%, é preciso ficar alerta.

Nas sete principais vacinas, BCG, Rotavírus, ESQ. VIP, Penta (Difteria, Tétano, Coqueluche, Haemophilus, Meningite C), Pneuno 10, Meningo e Tríplice Viral SCR, Taboão da Serra está acima da meta nacional de 95%. Foram aplicadas no município 10.233 doses das vacinas.

“Taboão da Serra tem boas coberturas vacinais, em todas as vacinas a gente bate a meta. A nossa preocupação é no Brasil como um todo, porque vem diminuindo o número de pessoas que vacinam seus filhos. A gente precisa que um percentual da população esteja vacinada para impedir que o vírus circule. Em Taboão nós temos isso, 95% de cobertura vacinal”, declarou a secretária de Saúde, Raquel Zaicaner.

Ainda de acordo com a secretária, a Secretaria de Educação irá ajudar no rastreio de crianças com vacinas atrasadas ou na necessidade de tomar reforço na cidade. “A equipe da Educação vai ajudar a Saúde, recolhendo as carteiras de vacinação das crianças [da rede municipal] na rematrícula, pra gente verificar se está todo mundo em ordem. Se tem alguém que precisa tomar algum reforço ou que esteja com alguma vacina atrasada”, explicou Raquel Zaicaner.

Doença

Causada por um vírus que vive no intestino, o poliovírus, a poliomielite geralmente atinge crianças com menos de 4 anos, mas também pode contaminar adultos. A maior parte das infecções apresenta poucos sintomas e há semelhanças com as infecções respiratórias com febre e dor de garganta, além das gastrointestinais, náusea, vômito e prisão de ventre.

Cerca de 1% dos infectados pelo vírus pode desenvolver a forma paralítica da doença, que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte.


*Matéria com colaboração do Portal O Taboanense

Tops da Gazeta