últimas notícias

IML identifica quinta vítima de queda de helicóptero em Mogi

Larissa Ribeiro de 14 anos era amiga de Lavínia de Ávila de 12 anos, que também morreu no acidente Da Reportagem De São Paulo

O Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo divulgou na tarde de hoje (5) que identificou a quinta vítima da queda de um helicóptero na cidade de Mogi das Cruzes. A aeronave caiu no sábado (3), mas todos os corpos foram retirados do local no domingo. Todos as vítimas foram levadas para o Núcleo de Antropologia, onde foram feitos exames odontológicos para confirmar a identificação. As causas do acidente ainda são investigadas e o helicóptero que saiu do litoral norte, tinha como destino a cidade de Osasco, também na Grande São Paulo.

Segundo o IML, a quinta vítima é Larissa Ribeiro Fernandes, de 14 anos. A adolescente tinha viajado com a família da amiga Lavínia para Juquehy. As outras quatro vítimas foram identificadas como Natália de Avila Treu, de 42 anos; a mãe dela, Iracema de Ávila, de 73 anos; a filha de Natália, Lavínia de Ávila Araújo de 12 anos, e o piloto da aeronave Marcos Chindi Minomo, de 54 anos.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, logo após a queda no sábado foram encontrados três corpos. No domingo, os bombeiros junto com investigadores Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) voltaram ao local, uma área de mata fechada no distrito de Quatinga e encontraram mais dois corpos.

Acidente

Por volta das 19h20 do último sábado, o Corpo de Bombeiros recebeu uma ocorrência de que um helicóptero de grande porte havia caído em Mogi das Cruzes. Dezenove agentes trabalharam na operação na área de mata próximo a Estrada Bento Moraes de Campos.

Ainda segundo os bombeiros, no horário do acidente foi registrado uma forte ventania na região o que pode ter ocasionado a queda.

Investigação

O Cenipa informou que também localizou a caixa-preta da aeronave, de matrícula PP-MTX. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos fez uma perícia na área e coletou dados, fotografou cenas, retirou partes da aeronave para análise, reuniu documentos e ouviu relatos de pessoas que possam ter observado a sequência de eventos.

O órgão informou ainda que a conclusão do caso dependerá da complexidade do acidente, porém será feita da forma mais rápida.

Tops da Gazeta