últimas notícias

Sem-teto deixam área e ocupam avenida

Após reintegração de posse, cerca de 30 famílias estão se instalando na avenida Castelo Branco no Parque Laguna Por Matheus Herbert De São Paulo

Cerca de 30 famílias que viviam de forma irregular em uma área particular no Parque Laguna em Taboão da Serra, agora estão se instalando na avenida Castelo Branco, no próprio bairro. O terreno de 136 mil m² onde as famílias estavam desde o mês de junho passou por um processo de reintegração de posse na manhã da última quinta-feira (22) e mais de duas mil famílias foram removidas do local.

A Gazeta acompanha a ocupação desde junho e também acompanhou a reintegração de posse da área na quinta-feira. A retomada da área foi realizada de forma pacífica entre as lideranças da ocupação e a Polícia Militar (PM) e Guarda Civil Municipal de Taboão da Serra (GCM).

Muitas famílias foram para casas de parentes ou conhecidos, enquanto outros disseram não ter para onde ir. Segundo um dos líderes da ocupação, Leandro Cavalca as famílias que estão instalando os barracos na avenida são justamente as que não sabem para onde ir. “Essas familias não têm conhecidos ou parentes aqui, então vão ficar aqui até a Prefeitura de Taboão da Serra auxiliar em alguma decisão”.

A Prefeitura de Taboão da Serra divulgou uma nota oficial na quinta-feira, logo após o cumprimento da reintegração de posse que o terreno “pertencia à Família Basile e recentemente foi vendido a uma empresa. O local fica em uma área de divisa entre Taboão da Serra e Capital”.

Questionada se a Administração ofereceria alguma assistência para as famílias, a prefeitura complementou dizendo que “não dispõe de áreas públicas para oferecer assistência a estas famílias. Por isto, a Secretaria Municipal de Habitação fez um ofício ao Governo do Estado de São Paulo solicitando atendimento em caráter emergencial para pelo menos 30 famílias. A Secretaria de Assistência Social e Cidadania está de plantão no local com equipes do Conselho Tutelar e do CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) e solicitou 50 bolsas famílias em caráter emergencial”.

Fogo nos barracos

Na tarde de sexta-feira (23), algumas famílias colocaram fogo nos barracos que restauram após a reintegração de quinta-feira. O fogo se alastrou já que a área conta muitas árvores.

Segundo o líder Leandro Cavalca, as famílias ficaram revoltadas após uma ação da Polícia Militar. “As autoridades policiais foram truculentas com as famílias que ainda estavam retirando os seus pertences e também recolhendo as madeiras. Eles ficaram nervosos e colocaram fogo em alguns barracos”.

Tops da Gazeta