últimas notícias

Postos da Grande SP ainda estão sem médicos

Embu das Artes e Itapecerica da Serra foram as cidades mais prejudicadas Por Matheus Herbert De São Paulo

Os moradores das cidades de Embu das Artes e Itapecerica da Serra ainda estão sofrendo com os atendimentos nas unidades básicas de saúde (UBS) do município, após a saída dos médicos cubanos que integravam o programa federal Mais Médicos. Juntas, as cidades contavam com 39 profissionais que deixaram de atender no dia 21 de novembro. Taboão da Serra possui convênio com o programa, mas nenhum dos oito profissionais que estão na cidade são cubanos.

“Tinha uma consulta agendada com um especialista em uma unidade perto da minha residência, mas aí recebi uma ligação da prefeitura dizendo que o meu atendimento seria feito em uma UBS da região central e em uma outra data”, disse a dona de casa Mariete Silva, de 43 anos, que mora no Jardim São Marcos, em Itapecerica da Serra.

No município de Itapecerica da Serra, dos 21 médicos que atuavam no programa, 19 são cubanos. A prefeitura estima que dez unidades da cidade estão desfalcadas. Logo após a saída dos profissionais, os pacientes que procuraram atendimentos na UBS do Jardim Analândia, por exemplo, se depararam com um aviso informando sobre a falta de clínicos gerais.

Já na UBS Horizonte Azul, também em Itapecerica da Serra, as duas únicas medicas que atendiam os pacientes eram cubanas.

Através de uma nota oficial a Prefeitura de Itapecerica da Serra informou a Gazeta que “as consultas estão sendo remanejadas para que os pacientes com agendamentos possam ser atendidos”.

Ainda segundo a administração, a “prefeitura abriu um processo de seleção, 19 candidatos mostraram interesse. Os profissionais estão com prazo para entrega de documentação até o dia 14. Início das atividades previsto para o dia 17 de dezembro, com treinamento na Autarquia de Saúde Municipal”.

Na cidade vizinha, Embu das Artes, a situação também não é diferente. De acordo com a prefeitura, “20 profissionais que atendiam nas UBS’S da cidade deixaram os atendimentos. A prefeitura municipal abriu imediatamente contratação emergencial de médicos para repor esta perda no quadro médico o mais rápido possível, respeitando todos os princípios da lei”, ressaltou a nota.

SAÍDA DO PROGRAMA

O governo de Cuba informou no dia 14 de novembro que deixaria de fazer parte do programa Mais Médicos. A justificativa do Ministério da Saúde cubano é que as exigências feitas pelo governo eleito são “inaceitáveis” e “violam” acordos anteriores.

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disse na época, na sua conta do Twitter, que a permanência dos cubanos estava condicionada à realização do Revalida pelos profissionais, que é um exame aplicado aos médicos que se formam no exterior e querem atuar no Brasil.

Tops da Gazeta