últimas notícias

Ex-vereador de Taboão, Valdevan Noventa usará tornozeleira eletrônica

Valdevan Noventa (PSC) foi preso após a PF apurar declarações falsas na prestação de contas. Por Matheus Herbert

O ex-vereador de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, e deputado federal eleito pelo (PSC), Valdevan Noventa vai usar tornozeleira eletrônica no período em que estiver em liberdade. O monitoramento está entre as medidas restritivas concedidas pelo Supremo após o deputado ser solto da cadeia pública Tabelião Filadelfo Luiz da Costa, no município de Estância (SE), onde estava preso desde dezembro do ano passado. Ele foi preso após a PF apurar declarações falsas na prestação de contas de sua campanha durante as eleições do ano passado.

Ele foi vereador na cidade de Taboão da Serra de 2005 até o ano de 2012. Em 2018, foi eleito com 45.472 votos para deputado federal pelo estado de Sergipe. Valdevan Noventa também é presidente do Sindmotoristas, entidade que representa os motoristas e cobradores de ônibus da cidade de São Paulo.

No dia 14 de janeiro, Noventa deixou a cadeia depois que o juiz Claudio Bahia Felicíssimo, da 2ª Eleitoral, definiu as medidas cautelares. No dia 12 do mesmo mês, ele teve o habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Além da tornozeleira, entre as medidas restritivas estão a apresentação em juízo mensalmente e proibição de manter contato com testemunhas durante a ação penal.

Na última segunda-feira, a Procuradora-geral da República, Raquel Dodge se manifestou conatrária ao Habeas Corpus concedido em fase liminar ao deputado federal. Cabe agora ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, decidir pela manutenção ou não da liberdade do deputado.

Investigações

De acordo com as investigações da Polícia Federal, o deputado foi preso durante a “Operação Extraneus” que apura a inserção de declarações falsas na prestação de contas durante as eleições de 2018. Ainda segundo a PF, o sindicalista teria utilizado “laranjas” para realizar doações para sua campanha.

O Ministério Público Federal (MPF) diz que após o período eleitoral foram registradas 85 doações, todas com o mesmo valor: R$ 1050, o que chamou a atenção do órgão.

Tops da Gazeta