últimas notícias

Na Grande São Paulo, temporal causa mortes e provoca caos

Forte tempestade que iniciou no domingo (10) e se estendeu até ontem (11) provocou alagamentos, bloqueou vias e gerou transtornos Por Matheus Herbert De São Paulo

A forte tempestade que iniciou na noite de domingo (10) e se estendeu até a manhã de ontem (11) provocou alagamentos, bloqueou vias, gerou transtornos e deixou ao menos 12 pessoas mortas na região metropolitana de São Paulo. Também havia registro de ao menos duas pessoas feridas. De acordo com o ClimaTempo, há previsão de chuva na Grande São Paulo para os próximos dias.

Segundo o último balanço atualizado do Corpo de Bombeiros, foram quatro mortes por conta de um deslizamento em Ribeirão Pires, um bebê soterrado em Embu das Artes, três afogamentos em São Caetano do Sul, dois em Santo André, outro em São Bernardo do Campo e um na Capital.

Os lugares mais afetados foram os bairros de Vila Prudente e do Ipiranga, ambos na Capital, e as cidades do ABC Paulista. Os bombeiros contabilizaram, entre 0h e 6h, 601 ocorrências de enchentes, 34 quedas de árvore, 54 ocorrências de desabamento e três deslizamentos graves.

Em Ribeirão Pires, no ABC, o desabamento de uma casa deixou quatro mortos e dois feridos, segundo a prefeitura. O desabamento de uma residência na rua Caiçara, altura do número 100, deixou três homens e uma mulher mortos no domingo. Três das vítimas são irmãos. Uma mulher de 52 anos e uma criança de 9 anos foram resgatadas com vida e encaminhadas para um hospital da região.

Outras duas pessoas morreram afogadas na avenida dos Estados, em São Caetano do Sul, também no ABC. Na mesma cidade, uma outra vítima também morreu afogada.

Uma pessoa morreu no bairro Taboão, em São Bernardo do Campo, segundo o porta-voz dos bombeiros, capitão Marcos Palumbo. Em Santo André, também foi registrada duas mortes por afogamento.

O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), divulgou vídeo nas redes sociais pedindo para os moradores não tentarem passar pelos pontos mais comprometidos pelas enchentes.

Em Embu das Artes, o deslizamento de terra sobre uma casa deixou três pessoas soterradas. Uma das vítimas, uma criança, morreu no Hospital Geral de Itapecerica da Serra. O desmoronamento ocorreu na rua Caqui, no Jardim Pinheirinho.

No Jardim Zaíra, em Mauá, três casas desabaram após um deslizamento. Ninguém se feriu. O mesmo bairro havia registrado a morte de quatro crianças em fevereiro, após deslizamento.

Ainda segundo o Corpo de Bombeiros, diversos moradores do ABC ficaram ilhados e foram resgatados por botes ou o helicóptero Águia.

Interdições

Saídas para a Capital a partir de Diadema, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul estavam até o final da tarde de ontem interditadas por conta dos alagamentos.

Um trecho da Via Anchieta, principal via de ligação do ABC Paulista com São Paulo, também tem a passagem de carros impossibilitada na altura da antiga Uniban.

Prejuízo

O temporal das últimas horas pode ter causado um prejuízo de R$ 45 milhões ao comércio de São Paulo e da região do ABCD, estima a Fecomercio- SP (entidade do setor).

Os setores mais atingidos são os de compras não programadas, como supermercados, farmácias, vestuários e os de artigos esportivos, livros e revistas, entre outros.

Segundo a entidade, um cálculo como esse só deve ser realizado quando o nível de chuva é "alarmante". "Num dia atípico como o de hoje são vários os aspectos que impactam as vendas. O primeiro é que muitos trabalhadores, em acordo com a empresa, optem por não se deslocarem e permanecendo em casa. Além disso, o trabalhador que em sua hora de almoço ou fim de expediente poderia passar na frente de estabelecimentos comerciais e shoppings e acabar comprando alguma coisa por impulso, não efetuará. Outro ponto é que o próprio funcionário do comércio talvez não consiga chegar."

Os R$ 45 milhões não faturados pelo setor representam 0,2% do total do mês para as regiões do ABCD e capital paulista no mês de março.


*Com informações da Folhapress

Tops da Gazeta