últimas notícias

Aluno é investigado por incentivar ataque em Suzano

Segundo as investigações, o estudante teria trocado mensagens por WhatsApp com o jovem que está internado na Fundação Casa - e acusado de ser "mentor intelectual" do massacre Por Estadão Conteúdo

A Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo investigam um aluno de 17 anos, suspeito de incitar o massacre na escola Raul Brasil, em Suzano, que terminou com a morte de dez pessoas. Este é o início da terceira fase do inquérito criminal, mirando pessoas que não agiram diretamente, mas teriam dado incentivo, feito apologia ou comemorado o desfecho do crime na internet.

Segundo as investigações, o estudante teria trocado mensagens por WhatsApp com o jovem que está internado na Fundação Casa - e acusado de ser "mentor intelectual" do massacre -, o que a defesa nega. Nelas, o estudante teria instigado o colega a realizar a chacina.

Na mensagem que chamou a atenção dos investigadores, o jovem teria afirmado que seu sonho era explodir uma bomba na cantina da escola. Em outra, ele foi informado de detalhes de um plano de atacar o colégio.

Chamado a depor, o adolescente negou qualquer intenção de participar do massacre e disse que mantinha conversas com o suspeito para se proteger. A polícia afastou indícios de sua participação após constatar que ele chegou a treinar uma "rota de fuga" no colégio - para o caso de o ataque ocorrer. Em organograma apresentado na sexta- feira, pela Polícia Civil e pelo MPE-SP, o estudante aparece classificado como "participação de menor importância".

Tops da Gazeta