Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Quinta, 16 Maio 2019 11:55

Condomínio tem obra paralisada após construção em área contaminada de Mauá

O projeto da construção de um condomínio-clube com preço acessível, que tinha respaldo de pastores da Igreja Batista Água Viva, foi embargado, pois o terreno está contaminado
Condomínio Clube Cidade de Deus mostrava que o empreendimento teria um colégio, área de lazer e a parte residencial em Mauá Condomínio Clube Cidade de Deus mostrava que o empreendimento teria um colégio, área de lazer e a parte residencial em Mauá Reprodução/TV Globo
Da Reportagem
De São Paulo

O sonho de uma casa própria para moradores de Mauá virou pesadelo. O projeto da construção de um condomínio-clube com preço acessível, que tinha respaldo de pastores da Igreja Batista Água Viva, foi embargado, pois o terreno está contaminado.

A propaganda do Condomínio Clube Cidade de Deus mostrava que o empreendimento teria uma nova sede da igreja, com capacidade para 3.500 pessoas, um colégio, área de lazer e a parte residencial.

Quem investiu na obra reclama do prejuízo, como é o caso do técnico em radiologia A.O.S.. Ele deu uma entrada de R$ 40 mil em um apartamento para morar com a esposa e filha.

O instrumentista E.E.P. disse ao "G1" que teve um prejuízo ainda maior. Ele gastou R$ 115 mil e precisou entrar na Justiça para conseguir o dinheiro de volta.

As unidades começaram a ser vendidas em 2017, e a construção estava prevista para junho de 2018. A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) afirma que nenhuma obra estava autorizada no terreno até que os técnicos fizessem análises e adequações na área. Como os apartamentos estavam sendo vendidos sem as licenças necessárias, o Ministério Público de São Paulo entrou no caso.

O promotor José Luiz Saikali reforça que, por se tratar de um terreno contaminado, nada poderia ser feito até a autorização do órgão estadual.

A atual administração de Mauá diz que só vai conceder alvará para a obra quando receber os laudos da Cetesb.

A Cetesb diz que multou a igreja em R$ 23.700 e deu até 19 de maio para a entrega de um plano com uma solução.

O advogado da Igreja Batista Água Viva, Paulo José Silveira dos Santos, disse ao "G1" que a igreja contratou uma empresa especializada para resolver os problemas ambientais. e que a igreja é vítima de construtoras.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado