últimas notícias

Leilões & Negócios

Com a reforma trabalhista, sancionada em 2017,o Sindicato dos Metalúrgicos perdeu 80% de sua receita
Com a reforma trabalhista, sancionada em 2017,o Sindicato dos Metalúrgicos perdeu 80% de sua receita
Foto: DIVULGAÇÃO / FRAZÃO LEILÕES

Sede do Sindicato dos metalúrgicos na capital paulista vai a leilão

Valor arrecadado servirá para "dar oxigênio" às finanças do sindicato, prejudicada pela queda nas contribuições

O Edifício Palácio, sede do Sindicato dos Metalúrgicos, localizado no bairro da Liberdade, no centro da capital paulista, irá a leilão no dia 10 de junho. Com lance inicial de R$ 110 milhões, bem abaixo do estimado para o imóvel, o pregão é visto como um bom negócio para investidores.

"O valor é referente ao prédio inteiro, que conta com ótima estrutura e, também, bastante história. É uma oportunidade única para os investidores, e grandes grupos como hospitais, faculdades e correlatos", afirma Cláudia Frazão, leiloeira a frente da Frazão Leilões, empresa responsável pelo certame.

Ao contrário do que muitos possam imaginar, a venda da sede do Sindicato dos Metalúrgicos não é um leilão judicial, ou seja, determinado pela Justiça. De acordo com o presidente da instituição, Miguel Torres, que também preside a CNTM e a Força Sindical, o dinheiro arrecadado servirá para "dar oxigênio" às finanças da entidade, muito prejudicada pela queda nas contribuições sindicais, por conta da reforma trabalhista e do desemprego.

Com a reforma trabalhista, sancionada em julho de 2017, pelo então presidente Michel Temer, o Sindicato dos Metalúrgicos perdeu cerca de 80% de sua receita. Isso porque a partir da mudança na lei, os sindicatos passaram a precisar da aprovação prévia e expressa de cada trabalhador para receber o equivalente a um dia de trabalho, descontado anualmente. Antes da alteração, a contribuição era obrigatória.

"Este prédio tem uma estrutura muito grande. Com a venda estamos tentando nos adequar à nossa nova realidade. Para se ter uma ideia, há 15 anos, nossa base era de 300 mil trabalhadores; hoje, é de R$ 120 mil", explicou Torres à Gazeta.

Com dois blocos (lado A e B), o imóvel possui 14 andares em cada bloco, auditório com balcão e capacidade para 666 pessoas, átrio central, área para heliponto, casa de máquinas, três subsolos, que somam 244 vagas de estacionamento demarcadas ou 600 veículos, oito elevadores (quatro por bloco), escadas de saídas de emergência com antecâmara e porta corta fogo, sistema de sinalização, prevenção e combate a incêndio.

Na propriedade há ainda duas construções anexas, na lateral do terreno: uma lanchonete com cozinha e uma área de entretenimento com palco, lanchonete, churrasqueira, e banheiros.

Os interessados em participar do leilão precisam se inscrever no site da empresa leiloeira. Na página, é possível acessar o edital e ver fotos do imóvel. Sobre o pagamento, este pode ser realizado à vista ou a prazo, com sinal mínimo de R$ 40 milhões, mais 36 parcelas mensais, acrescidas de juros de 1% ao mês e correção monetária pela tabela Price.

Comentários

Tops da Gazeta